Com decreto assinado nesta quarta-feira (8), o prefeito (PP) oficializou a criação do Programa Municipal de Promoção à Dignidade Menstrual. A medida também institui um grupo de trabalho que fica responsável pela sua implantação.

Segundo a prefeitura, há casos em que 20% de jovens de 14 a 24 anos que menstruam já deixaram de ir à escola por não terem absorvente. Alan Guedes ressaltou que não é admissível que uma menina deixe de estar em sala de aula porque a família não tem condições de comprar absorventes.

“Pode parecer simples, mas a realidade nos impõe a obrigação de nivelar e permitir que essas meninas tenham os mesmos acessos, que elas estejam todos dos dias letivos em sala de aula. Todas meninas da Reme, a partir de 9 anos, terão acessos a esse item de higiene pessoal”, explicou o prefeito.

A comissão, composta apenas por mulheres, é formada pela chefe de gabinete, Jéssica Medeiros, pela secretária de Educação, Ana Paula Benitez Fernandes, a assessora especial, Fabiana Baggio, a diretora de Departamento de Atenção Básica à Saúde, Silvia Bosso e pela secretária de Assistência Social, Daniella Hall.

“Já participei da comissão da OAB que trata da dignidade menstrual e visitei o presídio e tivemos relatos de detentas que usam jornal velho, papelão, miolo de pão, para conter o fluxo. Essas mulheres estão cumprindo sua e devem sim receber esse olhar do poder público. Por isso, levar esse projeto para nossas adolescentes é fundamental, precisamos debater esse tema”, explica Daniela.

Saiba Mais