A ‘Caminhada pela Vida e contra o ’ acontece neste domingo (8), Dia do Nascituro. A organização do evento aguarda até 2 mil pessoas no trajeto que passará pelas ruas do Centro de .

Presidente da Rede sul-mato-grossense em Defesa da Vida e da Família, Michelle Giongo, disse que mais de 70 cidades do Brasil terão ações neste domingo contra o aborto. “A caminhada pela Vida Contra o Aborto que é organizada pela Rede Nacional para a Vida”, disse.

Com concentração na Praça do Rádio, os participantes devem iniciar o percurso às 10h. “Nós vamos sair aqui pela Barão, vamos até a . Na Bahia a gente vai até a Rua da Paz, seguiremos pela Dom Aquino, o Dom Aquino Pedro Celestino e a gente volta para cá”, explicou a presidente.

Dia do Nascituro

O Projeto de Lei 4.281/2023 tramita no e pode oficializar a data no calendário nacional se for aprovado e sancionado. Além disso, a proposta cria a Semana de Defesa e Promoção da Vida;

Uma ação na pauta do STF (Supremo Tribunal Federal) trata sobre o aborto. O resultado da votação poderá descriminalizar o aborto no primeiro trimestre de gestação. Assim, o assunto causa discussões e movimentos em todo o país.

“Nós queremos que o Estatuto do Nascituro seja aprovado, para que a vida seja protegida desde o ventre das mães”, defendeu Michelle. A presidente pede a ação do STF não seja aprovada.

“É muito perigosa, ela não se trata somente a respeito do aborto, ela vai muito além, os fundamentos dela questionam o valor da dignidade humana, e isso abre pressa”, disse.

Participantes da Caminhada

Diretora do colégio Nossa Senhora das Graças, Aline Moreira, de 39 anos, participa da ação neste domingo (8). “Cada vez mais tentam fazer com que se aprove o aborto. Então os cristãos têm a missão de proteger a vida desde a sua concepção até o seu fim natural”, afirmou sobre a participação no evento.

Com a primeira gestação aos 25 anos e cinco filhos até agora, ela destacou que não usa contraceptivos. “Eu sou casada há 17 anos e nunca usamos nenhum. Eu acho que ainda dá tempo de vir alguns”, brincou.

Já o Dom Vitório Pavanelio, que é arcebispo emérito por Campo Grande, disse que a caminhada “é uma reação maravilhosa do povo brasileiro ante aquela proposta de liberação do aborto às 12 semanas, uma selvageria de lei”, julgou.

Contra a aprovação no STF, ele disse que o assunto precisa de debate aberto além da religiosidade. “Aqui não é um assunto religioso, é um assunto humano. E o verdadeiro cristão tem que caminhar pelos direitos humanos que começam na vida no embrião, já desde a concepção da vida nossa humana”, afirmou.