O marcou para as 10h de quarta-feira (28), a data de entrega dos 71 novos ônibus da frota de Campo Grande. Enquanto isso, a população convive com os perrengues das ‘sucatas’ que atualmente compõem o transporte público administrado pelo Consórcio Guaicurus.

Leitor do Jornal Midiamax relata que voltava do trabalho na tarde desta terça-feira (27), quando o ônibus quebrou em plena avenida Afonso Pena. Todos os passageiros precisaram descer e esperar outro ônibus, que chegou ao ponto lotado.

A linha com problema é a 086 que vai do terminal Júlio de Castilho ao Shopping . “Pobre não tem um dia de paz, ainda veio outro mais lotado pra todos entrarem”, conta o leitor que tentava chegar em casa depois de um dia de trabalho.

Consórcio vai renovar só 15% da frota

Ao mesmo tempo em que irá receber cerca de R$ 37 milhões em verba pública este ano – repasses municipais, estaduais, federais e isenção de impostos -, o Consórcio Guaicurus também conseguiu se livrar de punição por descumprir o contrato de concessão.

Além disso, perícia judicial analisou os balanços financeiros e constatou que o Consórcio Guaicurus teve lucro de R$ 68 milhões em 5 anos.

Porém, os novos ônibus vão renovar apenas 15% da frota atual de 450 ônibus. Assim, outros 111 ônibus vencidos continuarão circulando em Campo Grande.

Na prática, muda pouca coisa para a população, já que não haverá criação de novas linhas de ônibus. Os novos veículos apenas vão substituir 71 dos ônibus velhos que atualmente circulam em Campo Grande. A superlotação e demora, principalmente nos bairros, vai continuar.

A frota tem idade média de 7,7 anos, acima do ideal estipulado em contrato, que é de 5 anos. Porém, as empresas de ônibus não informaram se, com a renovação, a idade da frota ficará dentro do que estipula o contrato.

Consórcio mantém mais de 200 ‘sucatas’ na rua

Levantamento feito pelo Ligados no Transporte mostra que diferente do informado pela (Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos), Campo Grande tem 226 ônibus ‘vencidos’, com 10 anos ou mais. A Agereg afirmou em publicação que são 182 ônibus nessa média.

Conforme estipula o edital de concorrência nº 082/2012, a frota de ônibus que circula no transporte público de Campo Grande deve ter cinco anos. Porém, dos 450 ônibus do Consórcio, apenas 78 foram adquiridos de 2018 para frente.

Considerando que os 71 ônibus novos vão substituir os mais velhos, Campo Grande ainda terá 155 ônibus com 10 anos ou mais rodando nas ruas. O Jornal Midiamax questionou o Consórcio Guaicurus sobre em quais linhas os novos ônibus devem ser colocados, mas não recebeu resposta e o espaço segue aberto ao posicionamento.

Consórcio Guaicurus reduziu frota em 140 ônibus

O Consórcio Guaicurus tirou de circulação 140 ônibus nos últimos três anos, passando de 552 em 2019 para 412 em 2022.

Em contrapartida, Campo Grande ganhou 36 mil novos moradores, saltando de cerca de 906 mil em 2019 para 942 mil no ano passado, conforme dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O número está abaixo do mínimo estipulado em contrato, que é de 575 ônibus em circulação. Enquanto isso, passageiros precisam aguardar mais de 1 hora para conseguir um ônibus, dependendo do horário e da linha.

Apesar de denúncias sobre o serviço prestado em Campo Grande, o Consórcio Guaicurus vai embolsar R$ 32 milhões em verbas públicas somente este ano, além dos R$ 31 milhões que recebeu no ano passado.

E, diferente do alegado pela diretoria da concessionária, as empresas de ônibus tiveram lucro líquido de R$ 68 milhões somente nos primeiros sete anos de concessão – entre 2012 e 2019.