Corumbá, município a 426 km de Campo Grande, enfrentou uma forte tempestade na última terça-feira (12), que deixou um rastro de estragos em todos os bairros da cidade, como quedas de árvores, destelhamento de imóveis e corte de energia elétrica. 

De acordo com a Prefeitura Municipal de Corumbá, nenhuma família precisou ser levada para o abrigo organizado no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) da Praça Céu. 

Conforme o tenente do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul, Major Pablo Diego de Jesus, em entrevista ao Midiamax, a situação mais crítica é no residencial Buriti, que fica na parte alta da cidade. Em contato com a Defesa Civil com o CBMMS, foram informados que 17 dos 25 blocos foram destelhados e todos ficaram sem energia elétrica. No local, vivem entre 800 e mil pessoas. Destas, quatro pessoas ficaram desabrigadas.

De acordo com a Prefeitura, apenas uma família desse residencial solicitou ajuda da Defesa Civil para ir para a casa de parentes.

A Prefeitura ainda contabiliza os estragos na cidade, mas pelo menos 35 árvores caíram. O Cemitério Santa Cruz ficará fechado para visitações nesta quarta-feira (13) depois de danos na estrutura. Somente sepultamentos serão realizados hoje no local.

Levantamento do Cetemc (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima de Mato Grosso do Sul), sobre a última terça-feira, aponta rajadas de vento de 90,4 km/h e acumulado de 19 mm de chuva. 

Morte de menino

A forte rajada de ventos levou a queda da cobertura de uma quadra de esportes da Escola Municipal Cássio Leite. Um estudante de sete anos morreu após ser atingido pela estrutura. 

Alunos da segunda e terceira série estavam na aula de educação física durante o acidente. Segundo a Prefeitura de Corumbá, quando pareceu que os ventos iam reduzir, os professores tentaram retornar para as salas. Porém, como estava chovendo muito, preferiram permanecer na quadra.

Parte do segundo ano conseguiu sair, porém, foi quando chegou uma forte rajada de vento. Com isso, parte da estrutura da quadra veio a desmoronar, atingindo a criança de sete anos de idade, da segunda série. Ela foi levada para UPA, mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito.

Além da vítima fatal, outros quatro alunos foram hospitalizados com ferimentos, mas todos já foram liberados.