Cerca de 98% dos mais de 200 mil alertas de desmatamento validados pelo MapBiomas, entre 2019 e 2021, tinham indícios de ilegalidade. Esse número representa 4,3 milhões de hectares.

Entretanto, apenas 7% deles – correspondendo a 27% da área desmatada – foram objeto de alguma ação, seja uma autorização, embargo ou , por exemplo.

Um dos fatores para isso é a falta de estrutura dos órgãos fiscalizadores, que ainda privilegiam as ações presenciais. Mas o poderia ser totalmente diferente com o uso da tecnologia.

Recursos disponíveis de forma rápida e gratuita já permitem a identificação da supressão da vegetação nativa com imagens de alta resolução, permitindo o embargo remoto.

“Embargos remotos são estratégicos no nosso atual contexto em que os órgãos ambientais ainda não possuem recursos humanos e financeiros suficientes para atender com eficiência o elevado número de desmatamentos confirmados”, explica André Lima, coordenador do projeto Radar Clima e Sustentabilidade, do Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS).

“Hoje as tecnologias disponíveis e amplamente acessíveis oferecem duas condições fundamentais para a remota: a confiabilidade e a atualidade das informações. Seu uso, portanto, é fundamental para que a fiscalização ambiental no Brasil alcance a celeridade necessária para combatermos a destruição de nossos biomas”, completa Tasso Azevedo, coordenador geral do MapBiomas.

Embargo no combate ao desmatamento

Para que a prática do embargo remoto se dissemine, representantes de órgãos ambientais estaduais, federais e organizações da sociedade civil se reuniram, ao longo de 2022, em um grupo de trabalho. Eles discutiram os principais pontos para a elaboração do ‘Guia de Boas Práticas para Implementação do Embargo Remoto de Áreas Desmatadas no Brasil’.

O documento foi lançado nesta terça-feira (22), em evento promovido pelo MapBiomas, junto com o Instituto Democracia & Sustentabilidade (IDS), o Instituto de Vida (ICV) e o Brasil.io, que pode ser conferido clicando aqui.

Guia de Boas Práticas

O objetivo do guia é facilitar a aplicação do embargo remoto da forma mais automática possível. Além de permitir ações em grande escala, com impacto imediato sobre as áreas desmatadas ilegalmente. O documento está disponível neste link.

Ele é direcionado aos profissionais de órgãos ambientais e sociedade civil em geral. Sua elaboração levou em conta as normas vigentes, as tecnologias disponíveis e previstas no arcabouço legal e a experiência prática dos governos estaduais e federal.

O guia inclui um passo a passo para aplicação do embargo remoto em larga escala, contemplando procedimentos distintos para desmatamentos identificados em áreas inscritas e áreas não inscritas no CAR (Cadastro Ambiental Rural).

O fluxo de trabalho sugerido contempla o processo de identificação, confirmação e qualificação da supressão da vegetação nativa. Além da notificação de proprietários, aplicação e publicação dos embargos em bases públicas, e suas devidas consequências no CAR.

O guia também orienta quanto ao monitoramento permanente de áreas embargadas e procedimentos específicos para áreas e territórios de Povos e Comunidades Tradicionais (PCTs).

O que é embargo?

O embargo é uma “medida administrativa cautelar adotada pelos órgãos ambientais e aplicada sobre uma área para suspender atividade ilegal, paralisar a degradação ambiental e garantir a recuperação da área ou sua regeneração.”

Ou seja, ele tem caráter preventivo e cautelar e impede que uma atividade degradadora continue a se perpetuar no tempo e permite que a área danificada se recupere.

Hoje, a maioria dos embargos são feitos mediante fiscalização presencial, mas a comprovação do dano ambiental que justifica o embargo pode ser feita de forma remota, por meio da análise de imagens de satélite.

Com isso, a ação presencial poderá ser priorizada para os casos em que é realmente necessária, como em casos de de equipamentos, investigações e situações de conflitos de posse de terras. “Fiscalização presencial e remota podem e devem caminhar juntas. Uma fortalece e confere maior eficiência à outra”, ressalta Tasso Azevedo.