Exames concluídos na noite desta sexta-feira (10) descartaram a varíola dos macacos como doença que infectou o adolescente boliviano que segue internado na de . O paciente era o primeiro caso suspeito da doença em Mato Grosso do Sul.

De acordo com nota da secretaria de Saúde de Corumbá, o resultado do exame do adolescente foi negativo para Monkeypox.

O adolescente segue internado na Santa Casa da cidade desde o dia 30 de maio. O mais provável, segundo o corpo clínico do hospital, é que o menino tenha tido lesões na pele como reação alérgica a um medicamento que foi prescrito na Bolívia.

Ainda segundo a Saúde, ele está bem e aguarda resultado de outros exames para conclusão do diagnóstico.

Na semana passada, o primeiro caso de varíola dos macacos foi confirmado no país. Trata-se de um paciente de 41 anos internado em que recentemente viajou para Espanha.

Na atualização dos casos da doença publicada na noite de ontem (10) pelo Ministério da Saúde, o caso de Mato Grosso do Sul já constava como descartado. Até agora, o país tem 9 suspeitas da doença em investigação. Um caso confirmado e outros dois descartados.

Plano de contingência contra varíola dos macacos em MS

Na semana passada, o MPMS (Ministério Público Estadual) determinou a implementação de um plano de contingência contra a varíola dos macacos em Mato Grosso do Sul.

O grupo contará com a SES-MS (Secretaria de Estado de Saúde), (Secretaria Municipal de Saúde) de Campo Grande, Conselho Municipal de Saúde, Conselho Regional de Enfermagem, Comissão de Saúde da Municipal, Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa e Comissão de Saúde da OAB-MS.

Os trabalhos do grupo devem seguir orientações emitidas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em nota técnica publicada no mês passado que detalha o que se sabe até agora sobre a doença e procedimentos para notificação de casos.

O que se sabe até agora sobre a varíola dos macacos

Originalmente conhecida como Monkeypox, a varíola dos macacos é uma doença endêmica da África e recentemente tem causado alerta no mundo por conta de infecções registradas desde o início de maio na América do Norte e Europa.

O que chama atenção das autoridades mundiais em saúde é que essa é a primeira vez que a doença causa surto em várias partes do mundo sem que os pacientes com a doença tenham viajado para a África.

De acordo com o Instituto Butantan, a varíola dos macacos pode ser definida como uma “doença febril” aguda, que ocorre de forma parecida à da varíola humana.