PMA realiza fiscalizações no Rio Paraguai para evitar pesca predatória

Apenas a modalidade 'pesque e solte' está liberada a partir de terça-feira (1º) às 00h
| 31/01/2022
- 18:31
As ações de fiscalização no rio Paraguai e seus afluentes têm como objetivo impedir a pesca predatória
As ações de fiscalização no rio Paraguai e seus afluentes têm como objetivo impedir a pesca predatória - Divulgação/PMA

A PMA (Polícia Militar Ambiental) realiza fiscalização estratégica no devido à liberação da pesca na modalidade 'pesque-solte'. A liberação é válida no leito (calha) do rio, a partir de amanhã, 1º de fevereiro às 00h. 

No entanto, nesta segunda-feira (31), algumas equipes policiais já se encontram no rio para fiscalização, pois há embarcações com turistas se deslocando para o local. O reforço policial está sendo feito nos municípios de Corumbá e Porto Murtinho, cujas áreas envolvem a calha (leito) do rio Paraguai, especialmente na fronteira com o Paraguai e a Bolívia, bem como na região de divisa com o Mato Grosso, inclusive, na área do entorno do Parque Nacional do .

As ações de fiscalização no rio Paraguai e seus afluentes têm como objetivo impedir a pesca predatória, em que os pescadores matam os peixes capturados, pois a piracema e o período de preservação dos animais ainda estão em vigor. Caso isso ocorra, o autor será preso por prática de pesca predatória. 

Além disso, equipes também estarão na região do Porto Geralde, de onde sairão as embarcações pesqueiras com os turistas, para trabalho de orientação.

[Colocar ALT]
Lancha do MPE usada para fiscalizações. (Foto: Divulgação/PMA)

Uma lancha do MPE (Ministério Público Estadual) de Corumbá continua com revezamento de equipes durante a operação piracema e permanece exercendo fiscalização preventiva e repressiva especialmente na área de fronteira com o Paraguai e Bolívia, tanto no rio Paraguai, como no rio Apa e seus afluentes.

A região de divisa com o estado de Mato Grosso, pelo Rio São Lourenço e Piquiri e a área do entorno do Parque Nacional do Pantanal também serão vistoriadas. 

 

 

Veja também

Energisa chegou a ser acionada, mas afirma que não pode fazer os reparos por defeito de responsabilidade dos moradores

Últimas notícias