Uma família de passa por momentos de angústia há cinco dias na UPA Coronel Antonino, visto que um paciente que precisa de cirurgia não consegue ser transferido para hospital por falta de ambulância que realize o transporte.

Quem conversou com o Jornal Midiamax foi a filha do paciente. José Manoel da Silva, de 60 anos, deu entrada na unidade de pronto atendimento há cinco dias, na capital. Segundo a jovem, o homem está na ala vermelha e sem receber atendimento adequado.

“Meu pai está na UPA jogado, abandonado, os médicos falam que vão transferir para um hospital, mas não fazem nada. Não está recebendo atendimento, só tá lá. É muito triste”, lamenta a jovem.

Ela ainda relata que os médicos não souberam informar se a úlcera ou a vesícula que estourou. Além disso, quadro piorou ao longo dos dias por falta de tratamento. “Ele tá muito debilitado, já teve convulsão, vomitou muito sangue”, afirma.

O que diz a Sesau

Em nota, a (Secretaria Municipal de Saúde) informou que “a vaga dele [paciente] saiu ontem no início da tarde. Entrou o pedido de transporte para o por volta de 19h. Está dentro da prioridade para atendimento. Assim que houver disponibilidade de viatura ele será encaminhado.  Previsão que isso ocorra ainda durante a manhã”.

Portanto, a Sesau alega que o transporte ainda não foi feito por falta de disponibilidade de ambulância. Em contrapartida, a filha do paciente afirma ter uma viatura do Samu parada na UPA Coronel Antonino neste momento.

Família aguarda transferência de José Manoel e torce para que o procedimento ocorra ainda nesta manhã de quarta-feira.