O assassinato do atleta e campeão de jiu-jítsu Leandro Lo comoveu a categoria e as federações esportivas pelo Brasil, inclusive, em Mato Grosso do Sul, onde a estrela mundial esteve para seminários e compartilhamento dos conhecimentos sobre o esporte. Em 2013, Leandro participou de um seminário durante o Tour MS de Jiu-jítsu.

Quando esteve em MS, Leandro tinha 24 anos era bi-mundial e um fenômeno no meio. Ao Dourados Agora, ele ‘rasgou’ elogios para os atletas que representam o esporte no Estado, ressaltando que a competitividade que viu era digna de grandes atletas do eixo.

“Acompanhei alguns combates e vi que existem atletas duros, de bastante explosão e com uma técnica apurada. O nível do jiu-jitsu praticado nesta região é igual ao encontrado em lugares como São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo”, disse ao jornal na visita.

A academia responsável pela visitação de Leandro, Nine Nine jiu-jítsu, também lamentou a perda inesperada. “Tivemos a honra de conhecê-lo pessoalmente. Uma das pessoas mais humildes que vimos, um verdadeiro guerreiro, sem nenhuma pretensão ou arrogância. Descanse em paz”, escreveu.

Nilson Pulgatti, presidente da Federação de Jiu-jítsu Esportivo de MS disse que ficaram abalados com a notícia. “A federação está muito triste com o acontecido. Leandro era um dos maiores nomes do jiu-jítsu da atualidade. Que a Justiça seja feita, que o policial pague pelo que ele fez, que erro dele. Que Deus conforte o coração da família e dos amigos”, lamentou.

Morte do atleta de jiu-jítsu

O corpo da estrela mundial do jiu-jítsu Leandro Pereira do Nascimento, conhecido como Leandro Lo, será velado nesta segunda-feira (8), no Cemitério do Morumby, na Zona Sul de São Paulo. O policial militar Henrique Otávio Oliveira Velozo se apresentou na Corregedoria, no domingo (7), confessando ter atirado e matado o atleta. As informações são do portal G1.

Após ser considerado foragido e ter determinação de prisão temporária de 30 dias expedida pela Justiça, o PM se apresentou à polícia, informação confirmada pelo delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Osvaldo Nico Gonçalves.

A Secretaria de Segurança Pública informou que o PM será ouvido do 17° DP, que seguirá investigando o crime e, em seguida, será encaminhado ao Presídio Romão Gomes.

O pedido de prisão tem validade de 30 dias e é prorrogável para mais 30, o servidor ficará à disposição da Justiça durante as investigações. Ele ainda deve passar por audiência de custódia nesta segunda-feira.

Leandro Lo teve morte cerebral no domingo (7) após se envolver em uma briga durante um show de pagode na madrugada. O caso aconteceu em São Paulo. De acordo com a Agência Fight, o lutador curtia um show da Banda Pixote no clube Sírio, quando se envolveu em uma discussão com outro homem. Leandro teria imobilizado o homem que tentou pegar uma bebida de sua mesa, porém ele estava armado. Sacou o revólver e disparou um tiro na cabeça do campeão mundial.

Às 1h57, o lutador foi levado ao Hospital Municipal Dr. Arthur Ribeiro de Saboya, onde recebeu atendimento, mas teve morte cerebral confirmada.

Leandro Lo foi campeão mundial oito vezes em cinco categorias diferentes. A última conquista aconteceu em maio deste ano, quando chegou ao topo do pódio na divisão dos meio-pesados, no Mundial da modalidade que aconteceu na Califórnia (EUA). Existia a expectativa do faixa-preta participar do ADCC, maior evento de grappling do mundo, que acontece em setembro deste ano, em Las Vegas (EUA).

(Com informações da Agência Fight)