Manifestação dos trabalhadores da enfermagem ganhou apoio até mesmo de quem não faz parte da categoria. Durante passeata pelo Centro de na manhã de hoje (20), moradores e comerciantes que passavam pelo local faziam coro ao protesto dos profissionais, que reivindicam fixação do piso salarial.

Comerciante, Valquíria Arguelho, de 36 anos, foi até a frente da loja quando ouviu o barulho da manifestação. Ao saber do que se tratava, deu apoio aos trabalhadores. “Eles estão certos. Trabalham tanto para receber tão pouco e são os que mais sofrem”, comentou. 

Foto: Henrique Arakaki

Para a publicitária Laynne Xavier, de 30 anos, que viu o momento em que os enfermeiros cruzaram a Avenida Afonso Pena, a condição imposta aos enfermeiros representa desvalorização, principalmente em um pós-pandemia. “Quando a pandemia estava no ápice, muitos sacrificaram a sua vida tomando a linha de frente e salvando vidas”, afirmou. 

Com carro de som, faixas e cartazes, dezenas de enfermeiros saíram da em passeata pela Avenida Afonso Pena e foram até a Prefeitura da cidade. Além da fixação do piso salarial, suspenso pelo STF (Supremo Tribunal Federal) sob alegação de risco ao orçamento, trabalhadores que atuam na Santa Casa pedem reajuste anual. Eles afirmam que um documento foi encaminhado para o em março deste ano.

“Cada um tem que ir atrás de seu direito e acho que o que eles estão fazendo é certo”, pontuou o administrador de estoque Gustavo Reis, de 24 anos.