Com m² a R$ 4 mil, saiba quais bairros recebem mais construções em Campo Grande

Regiões do Segredo e Bandeira são as que mais recebem licenças para construção da Prefeitura Municipal
| 25/07/2022
- 07:44
Com m² a R$ 4 mil, saiba quais bairros recebem mais construções em Campo Grande
Foto: de arquivo, Midiamax

Durante a última década, Campo Grande teve um aumento de 40,51% no número de residenciais e, em crescimento, há regiões da Capital que estão sendo as preferidas dos construtores. Conforme o setor, o valor do metro quadrado construído tem variado de R$ 2 mil a R$ 4,5 mil, a depender da região em que imóvel sairá da planta.

As regiões que mais tem crescido no setor da construção em Campo Grande são a região do Segredo - onde estão os bairros Coronel Antonino, Anache, Monte Castelo, José Abrão, Nasser, Nova Lima e Seminário, por exemplo - e Bandeira, onde estão bairros como Maria Aparecida Pedrossian, Tiradentes, São Lourenço, Jardim Paulista, Rita Vieira, Universitário, Moreninha.

Conforme a (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Regularização), os bairros localizados nessas regiões são os que mais contemplam emissões de novos Alvarás e Habite-se.

De janeiro a julho de 2021, foram emitidos 249 licenças para os bairros do Segredo e 298 para a região da Bandeira. Já neste ano, no mesmo período, foram 232 e 275 novas autorizações respectivamente para essas regiões.

Bairros em ascensão

Revelados quais regiões são as mais regularizadas para obras, chegou a vez de saber quais bairros são os mais 'queridos' atualmente dos construtores. Conforme o presidente da Acomasul (Associação dos Construtores de Mato Grosso do Sul), Diego Canzi Dalastra, os locais das construções variam conforme a classe e o padrão do projeto.

Por exemplo, as moradias das casas populares do Casa Verde e Amarela do Governo Federal estão em obras 'a todo vapor' no bairros Nova Lima, Colúmbia, Vila Nasser e Aero Rancho. Já as casas de padrão médio, os bairros onde as construções têm sido maiores são no Tijuca e região do Santo Antônio.

Já aquelas residências de alto padrão, estão bairros com Carandá Bosque, Chácara Cachoeira, Cidade Jardim, Chácara dos Poderes, Estrela Dalva, Jardim Veraneio e Autonomista.

"O valor da construção está em torno de R$ 2 mil o m² padrão médio, R$ 3 mil as de padrão alto, e tem as construções em condomínios, que chegam à R$ 4.500", diz.

'Boom' residencial

Conforme os dados da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano), entre 2012 e 2021, foram 97.199 novas inscrições imobiliárias na Capital. Confira a evolução:

ANOInscrições imobiliárias
2012239.580
2013247.816
2014263.146
2015296.167 
2016301.505
2017319.256
2018322.386
2019326.635
2020330.740
2021336.779
Fonte: Semadur

O levantamento divulgado pela secretaria mostra que o maior salto de novas residências aconteceu entre os anos de 2016 e 2017, quando em apenas um ano, foram 17.751 novos imóveis em Campo Grande. Por outro lado, o ano de menor expansão foi entre 2020 e 2021, período de pandemia.

E para o ano de 2022, a perspectiva é que o alto índice de construção civil seja retomado. Isso porque, no início do ano, o setor foi um dos que mais empregaram no mês de janeiro em Mato Grosso do Sul, conforme os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados naquela ocasião.

A Fetracom-MS (Federação dos Trabalhadores na Construção Civil e do Mobiliário e Montagem Industrial), no primeiro mês deste ano, o saldo entre contratações e demissões foi de 499 vagas, ou seja, na geração de empregos o setor da construção civil ficou atrás apenas dos segmentos de Serviços (1.571 vagas), Agropecuária (1.111), e Indústria (818 vagas).

Veja também

Já choveu bastante em cidades de Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira (17) e Campo...

Últimas notícias