Cotidiano

Véspera do Dia das Crianças tem movimento, mas vendas não animam comerciantes em Campo Grande

Consumidores também decidiram gastar menos com os presentes em 2021

Gabriel Maymone e Marcelo Nantes Publicado em 11/10/2021, às 15h46

Movimento em loja no Centro de Campo Grande
Movimento em loja no Centro de Campo Grande - Marcelo Nantes / Midiamax

As vendas na véspera do Dia das Crianças não animou comerciantes do Centro de Campo Grande, que tiveram expectativas frustradas para este ano. Apesar do movimento de pessoas, quem fazia compras não estava disposto a gastar muito.

Dono de uma barraca no Camelódromo, Maycon Silva avaliou que o movimento este ano "não está legal" comparando com anos anteriores. "Para um dia de semana até que está vendendo bem, mas se considerar que é véspera de Dia das Crianças, não está", disse, explicando que antes vendia, em média, R$ 130 por cliente e, hoje, o valor gasto por pessoa é de R$ 60.

Em loja de variedades na Avenida Afonso Pena, a proprietária Valéria Santos afirma que as vendas haviam sido melhores em 2020. "Quando as pessoas estavam mais em casa, com luto maior, acabou vendendo mais que neste ano. Não está ruim, mas 2020 foi melhor", garante. 

Outro detalhe que chamou a atenção da empresária foi o valor médio dos presentes. Este ano, brinquedos mais baratos como bola, bonecos e kit cozinha foram os que mais saíram.

Por outro lado, ambulantes aproveitam o movimento nas ruas para vender seus produtos. É o caso de Fernando Dias. Ele não vende brinquedos para a criançada, mas aproveita para oferecer relógios, pen-drives e meias para os adultos. Ele garante que está se dando bem. "Num dia ruim, vendo R$ 60 e num dia bom R$ 120. Hoje vendi mais de R$ 120", comemora.

Confira lista de brinquedos a partir de R$ 5 encontrados no Centro de Campo Grande para o dia das Crianças.


Movimento no Camelódromo na véspera do Dia das Crianças - Foto: Marcelo Nantes / Midiamax

Dinheiro curto

Quem aproveitou o feriado (criação de MS) para comprar presentes para as crianças não estava disposto a gastar quantias mais altas e acabou levando mimos mais simples. O mecânico Eraldo Lopes e a esposa gastaram R$ 300 e compraram 10 presentes. "Estamos aproveitando o feriado porque trabalhamos bastante e conseguimos fugir das crianças", comentou.

Quem está na mesma situação é Margareth Santos, que comprou presente para dois netos. "Estou pensando em gastar R$ 100 com tudo. A dificuldade é porque tem o Dia das Crianças, 2 aniversários e o Natal, então, não dá para comprar presentes muito caros", avaliou.

O servidor público Artur Miyashiro disse que vai gastar R$ 60 com o presente do afilhado. "Vale à pena, com certeza, é bom para a alma ver a felicidade", pontuou.

Já o representante comercial Sandro Rodrigues saiu com os 4 netos para fazer as compras e aproveitar para passear com a criançada. "O trabalho é muito corrido, então, aproveito para me divertir com meus netos. Faço questão de fazer as compras, porque a gente não sabe o dia de amanhã e esse momento não tem preço", completou.

NoneComércio tem opções de brinquedos a partir de R$ 5 - Foto: Leonardo de França / Midiamax

Desemprego e queda na renda

Levantamento realizado pela CDL-CG (Câmara de Dirigentes Lojistas de Campo Grande) aponta que 56% dos campo-grandenses não devem comprar presentes para o Dia das Crianças este ano. A maioria porque está desempregada e outros alegam estarem sem condições financeiras.

Muitos citaram os impactos da pandemia e outros alegaram ter outras prioridades no momento, mostrou o resultado. Assim, o levantamento apontou que comparado ao mesmo período do ano anterior, houve queda de 12% na intenção de compra.

Entre os entrevistados, 56% não pretendem comprar, 32% afirmou que comprará o presente para a data e 12% não decidiram ainda. Dentro do percentual que irá às compras, 34% respondeu que prefere presentear com brinquedos, 40% com roupas e calçados, 16% não decidiram e 10% vai optar por viagem ou lazer.

Jornal Midiamax