Cotidiano

Quase metade dos municípios de MS já começou a vacinar pessoas com menos de 50 anos contra covid

Japorã, por exemplo, já aplica doses em pessoas a partir de 25 anos

Gabriel Maymone Publicado em 07/06/2021, às 12h53

Em Japorã, pessoas com 25 anos ou mais já estão recebendo dose da vacina
Em Japorã, pessoas com 25 anos ou mais já estão recebendo dose da vacina - Divulgação / Prefeitura de Japorã

Em Mato Grosso do Sul, 43% dos municípios já iniciaram a vacinação contra covid de pessoas abaixo dos 50 anos, conforme o Cosems-MS (Conselho de Secretários Municipais de Saúde).

Assim, os 79 municípios de MS já aplicaram 1.189.318 doses da vacina contra a Covid-19, o que corresponde a 33,53% da população; e 15,12% já tomaram a segunda dose, sendo que 34 cidades já estão vacinando pessoas com menos de 50 anos.

O presidente do Cosems-MS, Rogério Leite,  explica que após a autorização do Ministério da Saúde para iniciar a vacinação por faixa etária, as cidades conquistaram grandes avanços. “As cidades de MS são unânimes quando se fala do avanço da vacinação por faixa etária, facilitou muito o trabalho de todos que estão na ponta, assim todas as classes trabalhadoras são atingidas, e não há escolha entre determinados grupos. Claro que o quantitativo de doses recebido é fundamental, mas agora há um respaldo legal e técnico que todos são obrigados a seguir”, pontuou.

Um dos municípios que estão bem avançados é Japorã, que com quase 10 mil habitantes, está imunizando pessoas a partir de 25 anos, sem comorbidades, como conta o Secretário de Saúde do município, Fábio Emborana, “atribuímos o avanço ao fato que a estimativa real da população sempre foi abaixo da estimativa do IBGE, e das doses remanejadas da comunidade indígena. O município finalizou todos os grupos previstos no Plano Nacional de Operacionalização-PNO, e terminados os grupos, começamos vacinar por idade”.

“Não são todos os Municípios que conseguem avançar igual, Campo Grande por exemplo possui mais de 40 mil industriais, enquanto há municípios menores não possuem nem 100, a diferença das características populacionais faz com que haja diferenças entre as cidades de MS. Mas o importante é que todos sigam o PNO e que avancem igualitariamente”, finalizou o presidente do Consems, Rogério Leite.

Jornal Midiamax