Cotidiano

Palco de ataque a banhista, Lago do Amor tem pelo menos 25 jacarés monitorados em estudo

Levantamento oficial, feito em 2018 pela UFMS, indicou que existem duas espécies no lago

Mariane Chianezi e Ranziel Oliveira Publicado em 25/10/2021, às 17h42

Um dos jacarés monitorados no Lago do Amor
Um dos jacarés monitorados no Lago do Amor - Divulgação/UFMS

Palco de ataque a um banhista no fim de semana, que já foi apelidado pelos internautas de ‘Mano Lacoste’, o Lago do Amor tem pelo menos 25 jacarés monitorados em estudo feito pela UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). O último levantamento oficial foi realizado em 2018 pelo estudo.

Conforme a UFMS, os jacarés que vivem no lago são de duas espécies, jacaré-de-papo-amarelo e jacaré do Pantanal. Na época do levantamento, foi estimado que, entre os animais capturados, os machos apresentavam comprimento de 60 cm a 2,15 m e as fêmeas de 63 cm a 1,68 m. Eles passavam de 50 kg.

A reportagem do Jornal Midiamax foi ao Lago do Amor e, conforme os vendedores nos quiosques, é comum ver de três a quatro jacarés com frequência. O animal que mais surpreende os moradores e turstas que vão ao local são as capivaras, que também vivem no lago.

[Colocar ALT]
'Lago para natação' aparece como descrição do Lago do Amor | Foto: Reprodução Google

Apesar de ser o ‘habitat’ de 25 jacarés, o lago é classificado como ‘lago para natação’ na internet. À reportagem, os comerciantes que trabalharam em frente ao lago disseram que antigamente havia uma placa indicando a proibição de banhistas, mas a placa caiu.

A pesquisa da UFMS detalha que o local 'preferido' de banho de sol dos jacarés acontece em uma área distante do calçadão do Lago do Amor, o que torna a presença total dos animais "pouco avistada a olho nu".

Lagos em Campo Grande

Campo Grande tem pelo menos outros três lagos conhecidos e muito visitado por turistas: o Lago do Amor, Lagoa Itatiaia e o lago do Parque das Nações Indígenas. No Parque das Nações, a proibição de banhistas é destacada em avisos aos arredores, inclusive, em 2018, uma sucuri morta foi encontrada boiando no lago. Devido a possível presença de animais, não é permitido a entrada na água. 

A reportagem acionou a Prefeitura Municipal para apurar sobre a Lagoa Itatiaia, se há restrições quanto ao acesso de banhistas no local, mas não foi respondida. No local, não há especificações sobre proibições. 

Banhista atacado

O ataque foi uma das situações mais inusitadas de Campo Grande, já que é fato notório a existência de jacarés no lago. Conforme noticiado no sábado (23) pelo Jornal Midiamax, o SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) chegou a ser acionado para socorrer o indivíduo, que teria sofreu apenas ferimentos leves na região doombro .

Conforme os relatos, frequentadores do local estavam sentados na calçada, próximo ao lago, quando viram o homem se aproximar, tirar a camisa, pular a grade que cerca a água e começar a nadar. “Aparentemente ele não sabia que tinha jacaré no lago, na hora ele ficou meio atordoado”, relata um dos moradores. Ele recebeu ajuda ao sair do lago quando teria sido atendido por uma ambulância que passava pela Avenida Senador Filinto Müler.

Jornal Midiamax