Cotidiano

Falta de luz afeta do almoço de domingo ao sustento de comerciantes após tempestade em Campo Grande

Concessionária diz que falta de luz persiste em 16 bairros da Capital e força-tarefa segue trabalhando

Lucas Mamédio Publicado em 17/10/2021, às 10h54

Peixes da casa de iscas de Eduardo
Peixes da casa de iscas de Eduardo - (Foto: Reprodução)

“Temos crianças, uma bebê de 1 ano, já perdi tudo da geladeira, leite, iogurte, carne e nem tenho dinheiro para comprar comida fora eu tenho. O que vamos almoçar hoje?”. Esse é o questionamento da campo-grandense Juliana Bernardes de Araújo, do Bairro Cophavilla 2. Juliana é mais uma das centenas de pessoas que vivem na Capital e estão desde a tarde da sexta-feira (15) sem luz. O caos na rede elétrica foi causado por tempestade que atingiu a cidade e derrubou árvores por toda parte. 

Juliana conta que a geladeira de casa já foi até limpa para que saísse o mau cheiro. Assim como ela, o almoço de domingo de muitas pessoas está sendo afetado, bem como as mercadorias de comerciantes que começam a contabilizar prejuízos. 

Em uma propriedade rural localizada entre Jaraguari e Campo Grande, Gabriele conta que está sem energia desde sexta. Ela produz queijo, chipa e salgados para sobreviver. A cada hora que passa, a angústia aumenta junto da perda de mercadoria. Além disso, Gabriele tem uma bebê de 3 meses e um filho que precisa de cuidados especiais.

“Nós revendemos salgados congelados e queijos. Hoje (17) já começamos a perder as chipas que estão descongeladas. É nossa única fonte de renda, dá um desespero”.

Paula Pereira, que mora na Vila Popular, também já perdeu muitos alimentos. “As comidas na geladeira estão estragando e as mercearias aqui perto também estão perdendo mercadorias”.

No bairro Orfeu Baís, o comerciante Eduardo Pereira dos Santos, criador de pequenos peixes que servem para iscas, já perdeu cerca de 4 mil iscas por falta de oxigenação nos tanques. "Meu sistema aguenta cerca de 15 horas sem luz, e em 10 anos sempre foi suficiente, dessa vez já são mais de 40 horas".

Para mitigar o prejuízo, Eduardo alugou um gerador para tentar manter vivos os outros 4 mil peixes que restaram. "Tenho que ir de hora em hora abastecer o gerador".

O que diz a Energisa

No último balanço divulgado pela concessionária Energisa no fim da manhã deste domingo (17), a empresa afirma que equipes trabalharam durante toda a madrugada para reduzir o número de solicitações na Capital. Desde ontem, profissionais de outros estados estão em Campo Grande para integrar a força-tarefa.

Conforme a concessionária, no momento 16 bairros da Capital enfrentam falta de luz. São eles: Jardim Centro Oeste, Aero Rancho, Jardim Centenário, Nova Lima, Tiradentes, Parque dos Novos Estados, Coronel Antonino, Parque Residencial Rita Vieira, Alves Pereira, Vila Nova Campo Grande, Universitário, Jardim São Conrado, Mata do Segredo, Pioneiros, Vila Piratininga e Jardim Veraneio.

"A concessionária segue atendendo como prioridade hospitais, unidades de saúde e situações que coloquem a segurança da comunidade em risco. Em paralelo, a empresa realizou uma inspeção remota na rede de distribuição dos locais onde acontecem as provas de admissão dos novos estudantes do Colégio Militar de Campo Grande, na manhã deste domingo (17/10), e no período da tarde, do Exame de Ordem da OAB Nacional, na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), também na Capital; além da Unigran, em Dourados e na Escola Estadual Maria Leite, em Corumbá", informou a empresa.

Reclamações sobre falta de energia podem ser feitas pelo WhatsApp (Gisa): (67) 9 9980-0698 e aplicativo Energisa On (disponível no Google Play ou App Store do celular).

Jornal Midiamax