Cotidiano

Mortes por coronavírus aumentam entre jovens e pessoas sem comorbidades em Três Lagoas

Faixa etária de óbitos foi de 80 para entre 40 e 49 anos

Ranziel Oliveira Publicado em 15/04/2021, às 14h24

Dados foram divulgados pelo Departamento de Epidemiologia
Dados foram divulgados pelo Departamento de Epidemiologia - (Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil)

Três Lagoas registrou uma alta no número de internações e mortes por Covid-19, em pessoas mais jovens e sem comorbidades. O fato foi comprovado em um levantamento feito pelo Departamento de Epidemiologia da SMS (Secretaria Municipal de Saúde).

Conforme o departamento, houve uma redução considerável nas idades dos óbitos – e consequentemente internações – causados pela Covid-19. Até fevereiro de 2021, Três Lagoas registrou cerca de 80 óbitos, e 32,5% desses eram de pessoas com mais de 80 anos de idade. Porém, nos 77 óbitos seguintes ocorridos no mês de março, principalmente, essa faixa etária representou apenas 12% do total das mortes.

A principal mudança da faixa etária foi de 80 para entre 40 e 49 anos. É possível notar que até fevereiro de 2021 não havia nenhum óbito dentro dessa faixa etária, porém, em março, foram registrados 12, representando 15,6% das mortes ocorridas no mês.

“A vacinação das pessoas mais idosas é provavelmente o que contribuiu para reduzir os óbitos das pessoas na faixa acima dos 80 anos de idade”, explica o médico da Família e Comunidade e da equipe de Vigilância Epidemiológica da SMS, Vinícius de Jesus Rodrigues.

Há uma tendência nacional de maior circulação de novas variantes do coronavírus e, uma das características é o vírus se disseminar com mais facilidade e rapidez e, consequentemente, atingir pessoas com menos idade.

Rodrigues ressalta que, “não há registro oficial da nova cepa em Três Lagoas, porém os dados mostram que precisamos ter cuidado e a população respeitar as medidas de isolamento e distanciamento social, bem como as regras de prevenção com o uso de máscara e higienização das mãos”.

Aumento de mortes em pessoas sem comorbidades

Pessoas sem quaisquer comorbidades, conforme o levantamento, têm estado mais presentes entre os óbitos para COVID-19. Nos primeiros 80 óbitos registrados até fevereiro de 2021, pessoas sem doenças preexistentes somavam 6,25% do total, já nos 80 seguintes, esse total subiu para 25%.

Na contramão, os dados mostram que houve redução no número de óbitos de pessoas com doença pulmonares, passando de 26,25% para 7,8% do total de óbitos registrados no período. “Talvez, isso possa ser pelo provável fator de que, como a média de idade dos pacientes internados e que vieram a óbito abaixou, aqueles que desenvolvem doenças pulmonares a longo prazo aparecem menos”, comentou Rodrigues.

Rodrigues enfatizou ainda que “os dados comprovam o que a ciência sempre alertou, que as mutações do Novo Coronavírus, causadas principalmente pela alta circulação entre as pessoas, poderiam causar mortes mesmo em pessoas que não eram enquadradas nos grupos de risco e é que estamos vendo nesse momento em todo o País e em Três Lagoas”.

Jornal Midiamax