Cotidiano

Hemosul precisa de doações de sangue, principalmente do tipo O negativo

É preciso estar atento aos intervalos das aplicações da vacina contra Covid-19

Renata Barros Publicado em 28/09/2021, às 11h59

None
Foto: Divulgação/PrefeituraMunicipal

O Hemosul de Campo Grande registra de queda de 10% no número de doações, comparado aos anos anteriores à pandemia de Covid-19. Neste momento há falta de sangue do tipo O negativo, que é justamente o mais utilizado nos hospitais da cidade, de acordo com o Hemosul.

Em 2020, o Hemosul fez coletas de 35.638 bolsas de sangue, uma média de aproximadamente três mil doações por mês.

Todo o material coletado passa por uma análise e, em alguns casos, parte dessas bolsas precisam ser descartadas por estarem em desacordo com os requisitos para doação.

Podem doar pessoas que tenham entre 17 e 69 anos de idade, estejam em boas condições de saúde, ou seja, sem estar gripado ou com outra infecção, e tenham no mínimo 55 quilos.

Além desses requisitos é necessário se atentar a outros fatores, como a vacinação. O intervalo entre aplicação da dose e doação de sangue deve ser de 48 horas para a Coronavac e sete dias para Pfizer, AstraZeneca e Janssen.

Homens podem doar uma vez a cada 60 dias, respeitando o máximo de quatro doações por ano, e mulheres devem aguardar 90 dias entre as doações, com um limite de três transferências em 12 meses.

“É necessário que tomemos alguns cuidados antes da doação, principalmente neste momento de pandemia que estamos vivendo. Mas todos conhecemos alguém, seja próximo a nós ou a algum colega, que já precisou de doação de sangue, por isso não devemos deixar de fazer a doação”, explica o secretário de Saúde de Campo Grande, José Mauro Filho. 

O Hemosul fica localizado na Avenida Fernando Corrêa da Costa, 1304 – Centro. Para mais informações, ligue no telefone: (67) 3312-1500.

Jornal Midiamax