Cotidiano

Guarda flagra baile em estúdio de dança de Campo Grande desobedecendo toque de recolher

Foram feitas 21 abordagens nas ruas da Capital fora do horário permitido

Fábio Oruê Publicado em 28/06/2021, às 09h19

Estúdio de dança foi flagrado em funcionamento
Estúdio de dança foi flagrado em funcionamento - Foto: Divulgação/ GCM

A GCM (Guarda Civil Metropolitana) flagrou um baile acontecendo em um estúdio de dança na Vila Olinda, em Campo Grande. De acordo com a guarda, mais de 50 pessoas estavam no local, na noite de domingo (27).

No momento da chegada dos órgãos de fiscalização, depois das 21h, quando se inicia o toque de recolher, os participantes não estavam cumprindo as medidas sanitárias, como uso de máscara e distanciamento social. Os responsáveis foram encaminhados para a  Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Cepol. 

Além disso, 21 pessoas descumpriram o decreto estando fora de suas casas durante a noite de domingo  e madrugada desta segunda-feira (28), registrando menos movimento que o habitual.

Estas pessoas estavam nas ruas da Capital fora do horário permitido pelo toque de recolher, que vai de 21h até as 5h do dia seguinte. Pessoas que são flagradas fora do horário permitido são abordadas e orientadas a ficar em casa.

Além da Toque de Recolher, a operação Fim de Festa, de vários órgãos da prefeitura também ocorreu de 14h até às 2h na Capital.

Durante o período das operações foram 246 estabelecimentos fiscalizados, sendo que em 15 os proprietários foram orientados, em quatro foram notificados e dois foram interditados: um bar na Avenida Dr. Gunter Hans e uma boate na  Ernesto Geisel com a Salgado Filho.

Conforme dados da Guarda, o número 153 recebeu 175 ligações, sendo que 50 eram sobre descumprimento de medidas de controle ou restrição.

Também foi realizada uma operação no trânsito, da GCM com o Detran-MS (Departamento de Trânsito de Mato Grosso do Sul) e Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), de 20h até 00h.

Ao todo, foram feitas 389 abordagens, sendo 280 carros e 109 motos. Conforme dados da operação, 389 condutores passaram pelo teste do bafômetro, mas 25 se recusaram a fazer.

Segundo balanço, sete motoristas não tinham CNH (Carteira Nacional de Habilitação), sete permitiram a direção por pessoas sem CNH e dois estavam dirigindo sob influência de álcool.

Jornal Midiamax