Cotidiano

Fique atento: linhas de ônibus passam pelo Centro até 20h40 em Campo Grande

Após falta de ônibus e aglomeração de passageiros no primeiro dia do toque de recolher começando às 20h em Campo Grande, a prefeitura informou que a última linha passa entre 20h30 e 20h40. Assim, conforme a Agetran (Agência Municipal de Trânsito), os veículos chegam aos terminais por volta das 21h. De lá, os passageiros ainda […]

Gabriel Maymone Publicado em 15/03/2021, às 11h05 - Atualizado às 16h34

None
No primeiro dia de novo toque de recolher, passageiros relatam falta de ônibus e aglomeração

Após falta de ônibus e aglomeração de passageiros no primeiro dia do toque de recolher começando às 20h em Campo Grande, a prefeitura informou que a última linha passa entre 20h30 e 20h40.

Assim, conforme a Agetran (Agência Municipal de Trânsito), os veículos chegam aos terminais por volta das 21h. De lá, os passageiros ainda podem embarcar nas linhas alimentadoras – que vão dos terminais aos bairros – até às 21h15.

Após esse horário, apenas usuários que comprovem, através de cadastro, a necessidade de circular após o toque de recolher, poderão embarcar nas linhas especiais que partem da Praça Ary Coelho às 21h40, 22h40 e 23h40. Para fazer o cadastro, é necessário ligar para o número 3316-6600.

A Agetran informou, ainda, que não haverá ampliação do número de veículos durante o período vigente do novo toque de recolher. “A quantidade de ônibus foi alterada no dia 09/03, ampliando em 92 viagens no horário das 5:30 h às 8h e em 72 viagens no horário das 16 h às 19h”, informou.

Passageiros sem ônibus

No domingo, 1º dia do novo horário do toque de recolher em todo o Mato Grosso do Sul, passageiros ficaram sem ter como ir ou voltar do trabalho. Foi o caso de Eliane Bibiano da Silva, que trabalha como copeira no Hospital da Unimed. “Eu cheguei por volta das 16h40 no Terminal Bandeirantes e informaram que não tinha mais ônibus disponível para o Centro. Tinha uma amiga na mesma situação no Terminal Morenão e outra que nem conseguiu chegar no terminal”,  relata.

A trabalhadora conta que entrou em contato com a empresa para resolver o problema. “Minha chefe falou que quem tivesse dinheiro era para pegar carro de aplicativo, que iria ver se a empresa poderia ressarcir depois”, disse.

Para garantir que não h aja problema nesta segunda-feira, Eliane já adiantou que irá sair mais cedo ainda de casa. “Não sei como vai ser esse ônibus, vou ter que sair mais cedo”, lamentou.

Jornal Midiamax