Cotidiano

De anta na piscina a tamanduá na churrasqueira, PMA capturou 6 animais por dia em MS

Casos de animais silvestres que ‘invadiram’ têm sido cada vez mais comuns e o número de capturas tem aumentado nos últimos anos em Mato Grosso do Sul. Em 2020, a PMA (Polícia Militar Ambiental) capturou uma média de 6,2 animais silvestres por dia em MS. Os bichos são encontrados até nos locais mais inusitados, como […]

Mylena Rocha Publicado em 11/01/2021, às 10h11 - Atualizado às 14h52

Policiais capturaram anta que resolveu dar um mergulho em piscina de morador. (Foto: PMA)
Policiais capturaram anta que resolveu dar um mergulho em piscina de morador. (Foto: PMA) - Policiais capturaram anta que resolveu dar um mergulho em piscina de morador. (Foto: PMA)

Casos de animais silvestres que ‘invadiram’ têm sido cada vez mais comuns e o número de capturas tem aumentado nos últimos anos em Mato Grosso do Sul. Em 2020, a PMA (Polícia Militar Ambiental) capturou uma média de 6,2 animais silvestres por dia em MS. Os bichos são encontrados até nos locais mais inusitados, como uma anta dentro da piscina, gambá na máquina de lavar cobras e lagartos dentro de motores e veículos e até tamanduá dentro da churrasqueira.

De anta na piscina a tamanduá na churrasqueira, PMA capturou 6 animais por dia em MS
Há poucos dias, policiais capturaram lobo-guará em MS. (Foto: PMA)

O número de capturas de animais silvestres na cidade tem aumentado, em 2020 a PMA capturou 2.268 animais silvestres, um aumento de 28% com relação ao ano de 2019 (1.766 animais), que já havia sido 26,77% superior a 2018 (1.393 animais). Os principais bichos capturados foram aves.

A PMA explica que os animais geralmente são encaminhados para o CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres) quando são capturados em Campo Grande. No interior, alguns bichos  são soltos nas redondezas, depois de laudos de médicos veterinários e biólogos constatando que são bravios e daquele habitat, da região de onde foram capturados.

A Polícia Ambiental explica que é comum que os animais ‘invadam’ áreas urbanas, já que cidades costumam conservar áreas de mata. Campo Grande é um exemplo de cidade que possui reservas florestais e parques na zona urbana, por isso alguns animais acabam entrando em casa, andando nas ruas e até são atropelados. Além de tudo isso, o desmatamento reduz o habitat e alimento da fauna silvestre, que cada vez mais, precisa percorrer maiores distâncias na migração em busca de alimentos e acabam adentrando os perímetros urbanos.

De anta na piscina a tamanduá na churrasqueira, PMA capturou 6 animais por dia em MS
Maioria das capturas são de aves. (Foto: PMA)

Quando um animal aparece na casa de um morador, é comum chamar a PMA. Por mais que faça este trabalho, a Polícia Ambiental explica que o animal aparecer nos centros urbanos não se trata de crime e nem infração administrativa. “A Unidade Ambiental disponibiliza diariamente apenas uma viatura e uma equipe em cada uma das suas subunidades no estado, preparada para realizar esse trabalho, pois o papel constitucional primordial da Unidade é a prevenção. Ou seja, a manutenção dos policiais em campo para que os crimes e infrações não aconteçam”.

Portanto, a PMA orienta que os moradores podem acionar caso encontrem um animal silvestre. Porém, pede paciência. “Às vezes, pode demorar um pouco, pois a equipe elege as prioridades, em conformidade com cada caso. Além do mais, algumas capturas podem demorar horas, como no caso de uma capivara em local com grande área aberta. Orienta ainda, para que não se aproxime e nem deixe crianças se aproximarem especialmente dos animais que ofereçam riscos, como os grandes mamíferos e animais peçonhentos, pois, ao sentirem-se acuados podem atacar, no intuito de defesa”.

Jornal Midiamax