Cotidiano

Após confusão, MS ainda não sabe quantas doses de vacina chegarão na terça

Com uma nova remessa de vacina contra Covid-19 confirmada para chegar a partir de terça-feira (23) em Mato Grosso do Sul, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) ainda não foi informada sobre quantidade de doses que receberá. Isso acontece após confusão e desinformação por parte do Ministério da Saúde, que havia informado, inicialmente, distribuir […]

Gabriel Maymone Publicado em 22/02/2021, às 09h48 - Atualizado às 10h14

Municípios querem acelerar processo de vacinação contra Covid-19. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)
Municípios querem acelerar processo de vacinação contra Covid-19. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax) - Municípios querem acelerar processo de vacinação contra Covid-19. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Com uma nova remessa de vacina contra Covid-19 confirmada para chegar a partir de terça-feira (23) em Mato Grosso do Sul, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) ainda não foi informada sobre quantidade de doses que receberá. Isso acontece após confusão e desinformação por parte do Ministério da Saúde, que havia informado, inicialmente, distribuir 9,3 milhões de doses no país. Porém, na semana passada, o número caiu para 2,9 milhões e, neste fim de semana, informou ter 3,7 milhões para entregar aos estados.

“Estamos aguardando com expectativa”, declarou o secretário estadual de saúde, Geraldo Resende, que não sabe ao certo quantas doses vão chegar a MS.

Na semana passada, após receber o anúncio de que MS receberia apenas 30% do prometido, Resende se frustrou. “Nossa expectativa se frustrou, na medida que a gente vai receber só 1/3 do quantitativo esperado”, lamentou o secretário estadual de saúde, Geraldo Resende, acrescentando que com as novas doses será possível iniciar a vacinação da população quilombola e ribeirinha.

Atraso

Conforme contrato entre o Instituto Butantan e o governo federal, estavam previstas a entrega de 9,3 milhões de doses em fevereiro. Entretanto, O instituto entregou 1,1 milhão de doses do imunizante no dia 5 e, a partir do dia 23 deve entregar um lote com 3,4 milhões de doses para o governo federal, totalizando 4,5 milhões, o equivalente a 4,8 milhões de doses a menos.

“O Ministério da Saúde omite e ignora fatos em seu comunicado oficial. Deixa de informar que, como é de conhecimento público, o desgaste diplomático causado pelo governo brasileiro em relação à China provocou atrasos no envio da matéria-prima necessária para a produção da vacina”, informou o instituto.

Jornal Midiamax