Cotidiano

400 presos da unidade de Ponta Porã passam por testagem de coronavírus nesta quinta-feira

Cerca de 400 presidiários internos da UPRB (Unidade Penal Ricardo Brandão), em Ponta Porã, a 312 quilômetros de distância de Campo Grande, realizaram nesta quinta-feira (7), testes rápidos para detecção de coronavírus. O presídio está com visitas suspensas para reduzir as chances de transmissão da Covid-19. De acordo com a Agepen (Agência Estadual de Administração […]

Karina Campos Publicado em 07/01/2021, às 17h50

Teste rápido na unidade de Ponta Porã. (Foto: Divulgação/Agepen)
Teste rápido na unidade de Ponta Porã. (Foto: Divulgação/Agepen) - Teste rápido na unidade de Ponta Porã. (Foto: Divulgação/Agepen)

Cerca de 400 presidiários internos da UPRB (Unidade Penal Ricardo Brandão), em Ponta Porã, a 312 quilômetros de distância de Campo Grande, realizaram nesta quinta-feira (7), testes rápidos para detecção de coronavírus. O presídio está com visitas suspensas para reduzir as chances de transmissão da Covid-19.

De acordo com a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), o mutirão foi feito por insumos fornecidos pela SES (Secretaria de Estado de Saúde), como complementação às testagens realizadas através do método RT-PCR, conhecido como o exame ouro na detecção do vírus.

“Temos trabalhado muito para minimizar os efeitos danosos da Covid-19 no ambiente prisional do Estado, num somatório de esforços muito grande. São cerca de 20 mil vidas para prestarmos assistência”, disse o diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira.

Conforme o relatório diário do do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 de hoje, no momento são 117 reeducandos estão em tratamento da doença no Estado.

“Atualmente, a UPRB é a unidade que requer maior atenção, com 54 casos ativos entre os cerca de 620 internos, mas que já estão em tratamento, com os protocolos de biossegurança sendo adotados, sem nenhum em estado grave, que necessite internação, constatado”, informou a agência, em nota.

Por conta da contaminação em massa, as estruturas do local e a rotina carcerária foram modificadas, celas precisaram ser esvaziadas e novas período de higienização dos setores foram implementados.

“Os horários de banho de sol são diferenciados da massa carcerária, não possibilitando qualquer tipo de contato com os assintomáticos, além da desinfecção regular dos espaços, conforme a orientação dos infectologistas. Foi adotado um novo protocolo de isolamento preventivo de detentos que chegam de delegacias ou que são transferidos”, comunicou a Agepen.

Visitas suspensas

A Agepen informou hoje que os presídios de Bataguassu e Ivinhema também vão suspender visita a presos, somando a já decretada suspensão nas unidades do Estabelecimento Penal de Amambai, Penitenciária de Segurança Máxima de Naviraí, Estabelecimento Penal de Nova Andradina e Unidade Penal Ricardo Brandão.

Segundo a agência penitenciária, as suspensões vêm sendo analisadas, caso a caso, juntamente com as direções das unidades prisionais, sendo, até o momento, definidas nesses seis presídios, que continuam com o oferecimento dos encontros dos internos com familiares por meio virtual.

Jornal Midiamax