Cotidiano

Simone critica pedido para retorno de pasta da Segurança Pública no País

Um dia após secretários nacionais de segurança pública de todo o País se reunirem com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pedindo o retorno da pasta da Segurança Pública – incorporada ao Ministério da Justiça, a senadora Simone Tebet (MDB) criticou o pedido. “Qual a lógica disso? Quais dados estatísticos indicam possíveis melhora nos índices […]

Danúbia Burema Publicado em 23/01/2020, às 18h11 - Atualizado às 18h20

Senadora Simone Tebet presidente da CCJ. (Waldemir Barreto, Agência Senado).
Senadora Simone Tebet presidente da CCJ. (Waldemir Barreto, Agência Senado). - Senadora Simone Tebet presidente da CCJ. (Waldemir Barreto, Agência Senado).

Um dia após secretários nacionais de segurança pública de todo o País se reunirem com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pedindo o retorno da pasta da Segurança Pública – incorporada ao Ministério da Justiça, a senadora Simone Tebet (MDB) criticou o pedido.

“Qual a lógica disso? Quais dados estatísticos indicam possíveis melhora nos índices de violência se houver a cisão? O pleito dos governadores está fundado em quais argumentos?”, questionou, em entrevista ao Antagonista, nesta quinta-feira (23).

Na avaliação da presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal, é preciso entender bem ‘quem está por trás’ do desejo de recriar o Ministério da Segurança Pública.

Recriação 

No encontro de quarta-feira (22) com o presidente, representantes do Consesp (Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública) entregaram ofício a Bolsonaro pedindo a recriação da pasta. O secretário Antônio Carlos Videira, titular da Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública), de Mato Grosso do Sul, participou do encontro.

O presidente sinalizou que pretende desmembrar as pastas, assim como era na gestão do ex-presidente Michel Temer, acreditando que a segurança seja um dos pontos mais sensíveis dos Estados.

Jornal Midiamax