Cotidiano

Com pandemia, pela 1ª vez em 63 anos ruas de Campo Grande ficam sem tapete de Corpus Christi

Uma tradição que já ocorria há 63 anos em Campo Grande teve que ser cancelada por conta da pandemia de coronavírus: o tapete não será confeccionado em 2020.

Mylena Rocha Publicado em 29/05/2020, às 10h45 - Atualizado às 17h07

Tapetes são tradição em Campo Grande. (Foto: Leonardo de França/Midiamax)
Tapetes são tradição em Campo Grande. (Foto: Leonardo de França/Midiamax) - Tapetes são tradição em Campo Grande. (Foto: Leonardo de França/Midiamax)

Uma tradição que já ocorria há 63 anos em Campo Grande teve que ser cancelada por conta da pandemia de coronavírus. O tapete de Corpus Christi, uma tradição católica comum em cidades de todo o país, não deve ser confeccionado neste ano para evitar aglomeração de fiéis. 

O tradicional tapete costuma ser feito no centro da Capital, confeccionado por fiéis de mais de 40 igrejas católicas na data de Corpus Christi (11 de junho). A data é considerada uma das festas mais importantes da igreja católica, por celebrar o ministério da eucaristia, ou seja, o sacramento do sangue e corpo de Jesus Cristo. 

O tapete era confeccionado desde o surgimento da Arquidiocese de Campo Grande, em 1957. A tradição foi cancelada e, pela primeira vez em 63 anos, não deve acontecer. Segundo informações da Arquidiocese, cada paróquia vai organizar sua própria programação, mas é certo que o tapete não será feito por nenhuma igreja. 

A data de Corpus Christi deve ser celebrada com transmissões das missas nas redes sociais. “Como poucas pessoas podem entrar nas igrejas, as missas continuam sendo transmitidas. Algumas pessoas podem entrar de acordo com as condições de biossegurança,mas a igreja não pode conter um grande número de fiéis. Aqueles que não conseguem entrar, podem assistir pelas redes sociais. Recomendamos principalmente para quem é do grupo de risco”, informou Sônia Antunes, assessoria de Assuntos Institucionais e Captação de Recursos. Além disso, os padres devem sair às ruas com o Santíssimo e transitar ao redor das paróquias. 

Jornal Midiamax