Tradicionalmente celebrado no dia 19 de abril, o deste ano será diferente em muitas aldeias. Para evitar aglomerações, a aldeia Bananal, da etnia Terena, passará o ano sem a grande cerimônia de comemoração que fazem todos os anos.

Maricelma Francelino faz parte da comunidade da aldeia e lembra com carinho sobre o Dia do Índio do ano passado. “Ano passado com certeza foi um dos melhores. Em 2019, desde o 1º de abril começou a semana das festividades, tanto na escola municipal quanto na escola estadual e junto começaram os ensaios das danças para o grande dia, no caso o dia 19 de abril”, lembra com carinho.

Para evitar aglomerações, aldeias cancelam ações do Dia do Índio
Comemorações do Dia do Índio de 2019 na Aldeia Bananal. Foto: Maricelma Francelino.

A tradição de comemoração na aldeia dela não é apenas no dia 19 de abril e sim durante todo o mês. Mas “devido a pandemia, não teve o tradicional mês cultural e nem terá o dia do índio, que seria nesse domingo, dia 19”, lamenta.

O entendimento do ainda é uma questão em andamento em muitas aldeias de MS. Mas para a e estudante de biomedicina, a comunidade da Bananal já consegue entender a gravidade da pandemia. “O cacique aqui da Aldeia Bananal Célio Fialho já repassou e conversou com a comunidade junto com um médico e alguns outros profissionais da saúde que trabalha aqui na UBSF e os moradores conseguiram entender que é uma coisa séria e temos que respeitar pelo bem da nossa saúde”, conta Maricelma.

Sobre as medidas de segurança que foram tomadas na aldeia, ela conta que agora existe uma barreira na entrada, para controle de entrada e saída. “Os moradores podem sair sim da Aldeia, mas de carro por exemplo, podem ir apenas três pessoas, sendo obrigados a voltar até às 19h, pois às 20h é o horário do toque de recolher”, explica.