Cotidiano

Em poucas horas, Capital tem 300 denúncias de descumprimento a decretos

Nesta segunda-feira (23), em Campo Grande, foram registradas mais de 300 denúncias de desacatos aos decretos de medidas de contenção do coronavírus. Segundo o prefeito Marquinhos Trad (PSD), no último domingo foram realizadas uma apreensão, uma notificação e uma prisão de estabelecimentos que estavam desobedecendo os decretos. Segundo o prefeito, maior parte das denúncias são […]

Dândara Genelhú Publicado em 23/03/2020, às 16h25 - Atualizado às 16h28

Foto: Leonardo de França | Midiamax.
Foto: Leonardo de França | Midiamax. - Foto: Leonardo de França | Midiamax.

Nesta segunda-feira (23), em Campo Grande, foram registradas mais de 300 denúncias de desacatos aos decretos de medidas de contenção do coronavírus. Segundo o prefeito Marquinhos Trad (PSD), no último domingo foram realizadas uma apreensão, uma notificação e uma prisão de estabelecimentos que estavam desobedecendo os decretos.

Segundo o prefeito, maior parte das denúncias são de “empresas que estão pensando no dinheiro e não nas pessoas, empresas de conveniências que funcionam 24h e aglomeram pessoas, empresas que não estão dando os equipamentos de proteção e empresas que ainda estão com o maior número de funcionários”.

Marquinhos afirma que o número de funcionários dificulta as fiscalizações, visto que estão recebendo uma “enxurrada de denúncias”.  O prefeito considera que as empresas “estão usando ser humanos humildes e pobres, que estão com medo de perder o emprego” e reforça o canal de denúncias, “por isso pedimos para vocês entrarem em contato com a gente, a denúncia é anônima”.

Medidas preventivas

O prefeito compara os índices de mortalidade do Covid-19, o novo coronavírus, através do mundo. Como exemplo de menor números de mortes, ele cita a Alemanha. “Especialistas dizem que isso se deve por três fases: obediência dos alemães as regras dispostas pelos governantes, a fase da doença em cada país e a faixa etária dos infectados”, comenta.

Marquinhos ressalta que “maior parte da desobediência vem por parte da população” na capital sul-mato-grossense. “Em Campo Grande, nós não tivemos nenhuma morte ainda, as medidas que nós tomamos aqui foram drásticas e radicais, agressivas e com um lapso de tempo, antecipadas, foi com cautela, atenção”, explica.

“Suspendemos aulas, fechamos shoppings e comércio antes mesmo de São Paulo”, lembra ele. Em meio a live, o prefeito admite que tem medo, “principalmente com doença e sangue”.

Para ele, as medidas, vistas como drásticas, foram tomadas para evitar que as pessoas fiquem impotentes. “A gente fica impotente diante de qualquer doença, então eu tomei essas medidas mesmo, para nos proteger. Algumas pessoas ainda estão desobedecendo, eu peço, fique em casa gente, obedeçam”.

Denúncias

A denúncia deve ser feita diretamente na Vigilância através do telefone (67) 3314-9955. ou no Procon Municipal através do WhatsApp (67) 98469-1001 ou clicando aqui para ser logo direcionado.  A fiscalização é feita por equipes da Semadur, Vigilância Sanitária, Sefin (Secretaria Municipal de Finanças e Planejamento) e apoio da GCM (Guarda Civil Metropolitana).

Jornal Midiamax