Cotidiano

Listada com risco extremo para coronavírus, Sidrolândia adota mais restrições

Em “grau extremo” de risco para coronavírus, listada pelo programa Prosseguir, Sidrolândia, município a 70 quilômetros de Campo Grande, vai adotar medidas mais duras a partir desta sexta-feira (17) até 31 de julho. O toque de recolher, por exemplo, que até então começava às 22 horas, valerá a partir das 20 horas até às 4 horas. […]

Mayara Bueno Publicado em 17/07/2020, às 11h26 - Atualizado às 12h18

Prefeitura de Sidrolândia
(Foto: Divulgação, Arquivo).
Prefeitura de Sidrolândia (Foto: Divulgação, Arquivo). - Prefeitura de Sidrolândia (Foto: Divulgação, Arquivo).

Em “grau extremo” de risco para coronavírus, listada pelo programa Prosseguir, Sidrolândia, município a 70 quilômetros de Campo Grande, vai adotar medidas mais duras a partir desta sexta-feira (17) até 31 de julho. O toque de recolher, por exemplo, que até então começava às 22 horas, valerá a partir das 20 horas até às 4 horas.

Segundo o prefeito Marcelo Ascoli (PSD), boa parte das recomendações apontadas pelo programa do Governo de Mato Grosso do Sul será adotada. Porém, lockdown, um dos apontamentos, está descartado por enquanto. Campo Grande e mais quatro cidades, além de Sidrolândia, estão na relação de municípios do Estado cuja recomendação são medidas mais severas para frear o avanço do vírus.

“Além do programa, estamos levando em consideração o decreto de Campo Grande, buscando medidas semelhantes, já que fazemos parte da microrregião”, disse o prefeito.

A partir de hoje, além do toque de recolher mais cedo, o horário de funcionamento do comércio muda também. De segunda-feira à sexta-feira, estabelecimentos não considerados essenciais poderão abrir das 7 às 17 horas, com lotação máxima de 30% da capacidade. Aos sábados, fica permitida abertura das 7 às 11 horas.

Mercados, farmácias e restaurantes, durante a semana, atendem até às 20 horas e, depois disso, por delivery. Ainda no caso dos restaurantes, aos sábados, o atendimento ao público fica restrito das 10 horas às 14 horas, respeitando os 30%. Depois desse horário, entrega em casa está permitida. Mercados podem atender presencialmente até às 18 horas, aos sábados.

Feiras livres que antes atendiam em locais diferentes da cidade só poderão funcionar na região do Parque do Brizola, onde, segundo o prefeito, tem área maior e com mais circulação de ar. Contudo, as atividades poderão funcionar às quartas e sem consumo no local, ainda respeitando o limite de 30% de lotação, até às 19 horas.

Academias e igrejas podem receber pessoas no percentual já citado e até às 20 horas, durante a semana. Cerialistas e revendas de produtos agropecuários podem funcionar das 7 às 17 horas, ao longo da semana, e, aos sábados, das 7 às 11 horas, mas fica permitido o sistema de plantão para entrega de produtos nos demais horários e aos domingos.

Órgãos públicos, exceto as unidades de saúde e outras que fornecem serviços essenciais, estarão fechados aos domingos, bem como oficinas  mecânicas e elétrica, borracharia, guinchos (que podem atender das 7 às 17 horas de segunda à sexta) – nestes casos, se houver necessidade, estes locais poderão atender serviços de emergência.

O chefe do Executivo municipal explica que a cidade é corredor para motoristas que trafegam de uma cidade para outra e problemas nos veículos que demandem serviços são comuns. Postos de combustíveis só para abastecimento também ficam abertos.

Marcelo Ascoli afirmou que, apesar das regras começarem hoje, elas serão publicadas em Diário Oficial na segunda-feira (20). Sidrolândia tem, até o boletim epidemiológico divulgado na quinta-feira (16), 152 casos. Porém, ainda de acordo com o prefeito, o número em 24 horas chega a 162, além de cinco mortes provocadas pela doença.

Jornal Midiamax