Cotidiano

Incêndio em região do Pantanal começa amenizar e ficar sob controle, dizem Bombeiros

Equipes do Corpo de Bombeiros e brigadistas continuam trabalhando em combate aos incêndios no Pantanal de Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande. Conforme o tenente-coronel Ângelo Rabelo, os focos de queimada começam a reduzir na região norte do município, na tarde de hoje (23). Ainda ontem (22), foram registrados 200 focos de calor, com […]

Karina Campos Publicado em 23/04/2020, às 14h23 - Atualizado em 19/07/2020, às 12h43

Brigadista combate o fogo na Fazenda Santa Tereza. (Divulgação| IHP)
Brigadista combate o fogo na Fazenda Santa Tereza. (Divulgação| IHP) - Brigadista combate o fogo na Fazenda Santa Tereza. (Divulgação| IHP)

Equipes do Corpo de Bombeiros e brigadistas continuam trabalhando em combate aos incêndios no Pantanal de Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande. Conforme o tenente-coronel Ângelo Rabelo, os focos de queimada começam a reduzir na região norte do município, na tarde de hoje (23).

Ainda ontem (22), foram registrados 200 focos de calor, com o intenso trabalho, o número reduziu para 44 na região norte e 74 na região sul. Segundo Rabelo, o combate continua e, acredita que em três dias, a situação deve normalizar.

Incêndio em região do Pantanal começa amenizar e ficar sob controle, dizem Bombeiros
Região norte do Pantanal de Corumbá. (Foto: Reprodução)

“Seguimos com combate mais forte na região da (Fazenda) Santa Tereza, com 9 brigadistas, 2 tratores pela frente para evitar que focos cheguem perto da Morraria do Amolar. Estamos contando com agrupamento aéreo do Corpo de Bombeiros, dando sequência ao lançamento de água para tentar debelar o fogo. Na região norte, que também ameaçava a Serra, no Parque, a situação começa a ficar sob controle”, explicou.

O alta número de queimadas era esperado apenas para o mês de março, conforme o monitoramento feito pela Sala de Situação, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), mas devido ao período de estiagem, ações preventivas tiveram que ser antecipadas.

Comparado ao mesmo período do ano passado, Mato Grosso do Sul registrou 42% a mais em queimadas, focos de fogo detectado pelo satélite do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais). Do dia 1 a 22 de abril de 2019, foram 276 focos ativos, já no mesmo semestre deste ano foram 580 focos.

Os trabalhos de monitoramento serão intensificados, pois o levantamento da do Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima), alerta que não há previsão de chuva no Estado até o dia 28 deste mês.

Jornal Midiamax