A Santa Casa de Campo Grande divulgou, nesta quinta-feira (22), um balanço de atendimento e internações de acidentes domésticos. Durante a pandemia, casos que vão de queimaduras a cortes em casa aumentaram cerca de 75% de casos.

Conforme os dados do hospital, entre janeiro a outubro de 2019, foram internados cerca de 85 pacientes vítimas de queimaduras, lesão nos olhos, cortes, fraturas e traumas em geral ocorridos em casas. Já neste ano, o número passou para 146 ocorrências.

“Esse tipo de acidente pode acontecer em qualquer idade, mas o número de crianças foi muito grande, principalmente com queimaduras. Chegamos a ter aqui na área de queimados dez crianças ao mesmo tempo, um número que pode ser considerado muito alto”, comentou a médica Patrícia Otto de Matos, chefe das enfermarias pediátricas da unidade.

O número é mais que o dobro da média mundial, comparado a pesquisa feita pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que é de 30%.

A maior parte dos casos mais graves envolve crianças, que frequentemente ficam internadas por semanas tratando das lesões. Um dos casos recente, é de uma criança que acabou caindo em uma panela de doce, sofrendo 70% de queimadura no corpo.

“Também teve a situação de uma senhora que varria o quintal e, ao colocar fogo nas folhas, não observou que tinha um frasco de spray aerossol que explodiu, queimando a neta, enfim, uma série de casos principalmente neste período de pandemia”, destacou a Dra. Patrícia.

Descuido por segundos

Morando em um sítio em Nova Alvorada do Sul, a mãe do pequeno Lázaro, que está internado no setor de pediatria, Daniele dos Santos, conta que levou um susto ao ouviu o filho gritar ao cair. A criança sofreu lesão na vertebra da coluna cervical.

“Foi um grande desespero que não consigo descrever. Estava no banho quando ouvi os gritos e saí para ver o que era. Minha filha já estava com ele no colo e o colocamos no carro e saímos para buscar atendimento. Por mais que a gente cuide, tem esse minuto de bobeira e, com criança, temos que manter a atenção redobrada”, explica.

Ainda segundo o balanço, a maior parte dos acidentes domésticos acontecem na cozinha. A profissional alerta que a prevenção é o maior meio de evitar os acontecimentos.

“Não apenas com fogo, queimaduras com água, mas também objetivos cortantes e produtos químicos que costumamos guardar no local. Aqui temos muitos casos de famílias que acabaram se intoxicando com sabão de soda, normal em nossa região”, ressalta.