Cotidiano

Em menos de 7 meses, 40 mil casas já ficaram sem energia por acidentes com pipas

Moradores dos bairros Maria Aparecida Pedrossian, Conjunto Habitacional Oiti e Jardim Panorama, ficaram sem energia elétrica na noite desta quinta-feira (15), após uma pipa atingir a rede elétrica que abastece a região. Segundo a concessionária Energisa, apenas neste ano, cerca de 40 mil ocorrências foram registradas em Campo Grande. Conforme a empresa, o acidente acontece […]

Karina Campos Publicado em 17/07/2020, às 14h50 - Atualizado às 18h39

Ocorrências tiveram aumento de 50% durante isolamento social, aponta Energisa. (Foto: Arquivo Midiamax)
Ocorrências tiveram aumento de 50% durante isolamento social, aponta Energisa. (Foto: Arquivo Midiamax) - Ocorrências tiveram aumento de 50% durante isolamento social, aponta Energisa. (Foto: Arquivo Midiamax)

Moradores dos bairros Maria Aparecida Pedrossian, Conjunto Habitacional Oiti e Jardim Panorama, ficaram sem energia elétrica na noite desta quinta-feira (15), após uma pipa atingir a rede elétrica que abastece a região. Segundo a concessionária Energisa, apenas neste ano, cerca de 40 mil ocorrências foram registradas em Campo Grande.

Conforme a empresa, o acidente acontece com frequência, tanto na Capital como no interior do Estado, porém, durante o isolamento social, a Energisa apontou o aumento de ocorrências relacionadas a objetos que tiveram contato direto com a rede elétrica, principalmente pipas. A brincadeira, que a princípio parece inofensiva, acabou sendo responsável por um aumento de 50% em 2020 dos casos de interrupção no fornecimento de energia.

Além da interrupção no fornecimento de luz, o contato direto com a rede pode ocasionar diversos tipos de problemas, entre eles: choque elétrico, incêndio e até mesmo acidente fatal. “O ideal é que a soltura de pipa ocorra em locais abertos e afastados dos fios elétricos, e jamais faça uso de linhas metálicas, linha chilena ou cerol. Caso a pipa fique presa aos cabos de energia, nunca tente retirá-la”, afirma o coordenador de Construção e Manutenção da Energisa, Alécio Almeida Leite.

A orientação é que para que a brincadeira seja segura é:

– Procurar locais distantes da rede elétrica, como parques e campos abertos;
– Não utilize materiais cortantes, como a linha chilena e o cerol;
– Nunca utilize bastões, barras de ferro e outros objetos para remover a pipa que tenha ficado enroscada na rede elétrica. Apenas os profissionais autorizados pela Energisa, munidos de todos os itens de segurança e treinamentos necessários, podem fazer a manutenção na rede elétrica;
– Não solte pipa próximo a ruas e avenidas. A linha pode ser perigosa para os condutores, causando, principalmente, acidentes com motos e bicicletas;
– Alerte outras pessoas sobre o risco de soltar pipas sem os devidos cuidados;
– Sempre que possível, os pais devem acompanhar as crianças nessa brincadeira.

Em casos de acidentes com pipas na rede, o morador pode entrar em contato com a concessionária pelos canais de atendimento do telefone 0800 722 7272, WhatsApp Gisa (67) 99980-0698 ou pelo site.

Jornal Midiamax