Cotidiano

Você viu? Espuma branca aparece em ruas de Campo Grande após chuva

Após um longo período de estiagem, finalmente, a chuva caiu em alguns bairros de Campo Grande, na tarde desta terça-feira (6), amenizando o calor intenso de mais de 40°C registrados nos últimos dias. O surgimento de uma espuma branca chamou a atenção de quem passava por várias ruas da cidade. Segundo o meteorologista Natálio Abrahão […]

Karina Campos Publicado em 06/10/2020, às 15h33 - Atualizado em 07/10/2020, às 08h50

Acumulo de espuma chamou atenção de moradores. (Foto: Leitor Midiamax)
Acumulo de espuma chamou atenção de moradores. (Foto: Leitor Midiamax) - Acumulo de espuma chamou atenção de moradores. (Foto: Leitor Midiamax)

Após um longo período de estiagem, finalmente, a chuva caiu em alguns bairros de Campo Grande, na tarde desta terça-feira (6), amenizando o calor intenso de mais de 40°C registrados nos últimos dias. O surgimento de uma espuma branca chamou a atenção de quem passava por várias ruas da cidade.

Segundo o meteorologista Natálio Abrahão Filho, a chuva surpreendeu, pois não era prevista de acordo com o monitoramento. É esperado que as chuvas significativas retornem gradualmente a partir de sexta-feira (9), em todo o Estado. “Isso é normal (espuma), são resíduos de cinzas e poeira. Não é tóxico, nada diferente”, explicou.

Você viu? Espuma branca aparece em ruas de Campo Grande após chuva
(Foto: Leitor Midiamax)

O fenômeno é conhecido como serapilheira, que é uma camada composta por restos de resíduos de matéria orgânica, como fuligem, cinzas de plantas e árvores. Mesmo não sendo tóxica, a espuma é formada em decorrência da poluição e não deve ser armazenada para consumo.

“A chuva ‘limpa’ o ar, precipitando a sujeira em suspensão. Não é tóxica, apenas tem sujeira, como cinzas das queimadas”, acrescenta o biólogo José Milton.

Chuva ‘surpresa’

A chuva que atingiu bairros da cidade não estava prevista nos monitoramentos de meteorologia. Conforme o Cemtec (Centro de Monitoramento de Tempo e Clima), há índices de atraso na chuva neste mês de outubro.

A expectativa é que as chuvas não sejam volumosas e não deve atingir a regularização ideal para amenizar o calor e ajudar no nível de rios do Estado. A umidade relativa do ar deve permanecer entre 8% a 40%.

Jornal Midiamax