Cotidiano

Secretaria de Saúde aguarda exames para confirmar se dengue matou policial

A SES (Secretaria de Estado de Saúde) ainda espera pela confirmação dos exames para identificar se a morte do Policial Militar Estéfano José Cervelati, de 41 anos no último sábado (6), foi ocasionada por conta da dengue hemorrágica em Ponta Porã. Se confirmada, esta seria a 11° vítima da doença no Estado. A secretaria afirmou […]

Vinícius Costa Publicado em 08/04/2019, às 09h28 - Atualizado às 09h43

Foto: Reprodução Redes Sociais
Foto: Reprodução Redes Sociais - Foto: Reprodução Redes Sociais

A SES (Secretaria de Estado de Saúde) ainda espera pela confirmação dos exames para identificar se a morte do Policial Militar Estéfano José Cervelati, de 41 anos no último sábado (6), foi ocasionada por conta da dengue hemorrágica em Ponta Porã. Se confirmada, esta seria a 11° vítima da doença no Estado.

A secretaria afirmou que existe uma prioridade nos exames do policial, que estão sendo feitos no Lacen (Laboratório Central de MS), para que se obtenha o mais rápido possível uma resposta sobre a morte do policial. Embora esteja em caráter de urgência, a pasta preferiu não trabalhar com datas.

Em Mato Grosso do Sul, já foram registradas mais de 18 mil notificações sobre a doença, de acordo com o Boletim Epidemiológico da SES. Na fronteira, em Ponta Porã, houve 465 casos notificados e a cidade tem uma incidência de 555 casos a cada 100 mil habitantes.

Mortes confirmadas

Dez mortes já foram confirmadas em Mato Grosso do Sul, a última no dia 5 de abril, foi uma mulher de 47 anos em Dourados. Na segunda maior cidade do Estado, já são três mortes, entre elas uma menino de 11 anos.

Em Campo Grande, as vítimas são todas do sexo masculino: duas crianças de 1 e 5 anos e dois idosos de 72 e 78 anos, respectivamente. As quatros mortes aconteceram em janeiro, fevereiro e março e a cidade apresenta um índice muito alto de casos, já são mais de 7 mil notificações.

Em Três Lagoas, três vítimas e todas idosas: 56, 76 e 79 anos respectivamente. Os óbitos foram registrados do dia 27 de janeiro até 5 de abril.

Jornal Midiamax