Cotidiano

Professores acampam na Prefeitura para cobrar reajuste salarial

Integrantes da diretoria da ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública) estão reunidos na Prefeitura de Capital nesta quinta-feira (25) com expectativa de se reunir com o prefeito Marquinhos Trad (PSD). A categoria quer discutir o reajuste salarial, mas a Prefeitura ainda está acima do limite prudencial. O sindicato afirma que ficará no local […]

Mylena Rocha Publicado em 25/04/2019, às 09h36 - Atualizado às 15h04

Vice-presidente de sindicato diz que não sai da Prefeitura até uma reunião com o prefeito Marquinhos Trad. (Foto: Marcos Ermínio)
Vice-presidente de sindicato diz que não sai da Prefeitura até uma reunião com o prefeito Marquinhos Trad. (Foto: Marcos Ermínio) - Vice-presidente de sindicato diz que não sai da Prefeitura até uma reunião com o prefeito Marquinhos Trad. (Foto: Marcos Ermínio)

Integrantes da diretoria da ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública) estão reunidos na Prefeitura de Capital nesta quinta-feira (25) com expectativa de se reunir com o prefeito Marquinhos Trad (PSD). A categoria quer discutir o reajuste salarial, mas a Prefeitura ainda está acima do limite prudencial.

O sindicato afirma que ficará no local até ser atendido e pretende discutir um reajuste de 4,17% para a categoria. A vice-presidente da ACP, Zélia Aguiar, afirma que teve três reuniões com o secretário municipal de Finanças e Planejamento e que ficou combinado que seria enviada uma proposta. “Seria enviada em março, o que não aconteceu”, relata.

A vice-presidente afirma que a prefeitura havia pedido que a categoria aguardasse o fim do primeiro quadrimestre, mas o reajuste dos professores deveria acontecer em maio e não há perspectiva de aumento. “Queremos uma proposta para debater com a categoria, a categoria não é intransigente, queremos o que é nosso por direito”.

A ACP sugere que a Prefeitura retire os comissionados e aperte os cintos em outras secretarias, para assim dar o reajuste aos profissionais da educação. A categoria fica no local até ser atendida, mas ainda não há informações se o prefeito irá comparecer.

O Secretário Municipal de Finanças e Planejamento, Pedro Pedrossian Neto, afirma que a prefeitura ainda está acima do limite prudencial, com 52,2% de gasto com pessoal. Ainda assim, ele afirma que o resultado é positivo, já que houve uma redução nos gastos. O secretário afirma que há possibilidade de que a Prefeitura saia do limite prudencial, mas enquanto isto não ocorrer, negociações salariais são possibilidades remotas.

Não são só os servidores municipais da educação que estão com poucas perspectivas de aumento neste ano. Em reunião com a SAD (Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização) na quarta-feira (25), os administrativos da educação do estado receberam a notícia de que também não devem receber um reajuste.

“A posição do governo é de não renovar o abono, já vai retirar [do salário] este mês, não vai pagar o abono, vai ficar com salário menor. O governo finaliza com congelamento de salário para 2019 para servidores”, afirmou o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira.

Jornal Midiamax