Cotidiano

Funcionários de Hospital Regional desmentem Governo sobre salários e prometem greve

Os funcionários que trabalham no Hospital Regional de Ponta Porã ainda não receberam os salários que estão atrasados desde janeiro e uma nova paralisação não está descartada a partir de segunda-feira, dia 25, caso o débito não for quitado ainda nesta sexta-feira (22). Helena Delgado, vice-presidente da SIEMS (Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem […]

Vinícius Costa Publicado em 22/03/2019, às 12h28 - Atualizado às 12h34

(Foto: Divulgação/Ponta Porã Informa)
(Foto: Divulgação/Ponta Porã Informa) - (Foto: Divulgação/Ponta Porã Informa)

Os funcionários que trabalham no Hospital Regional de Ponta Porã ainda não receberam os salários que estão atrasados desde janeiro e uma nova paralisação não está descartada a partir de segunda-feira, dia 25, caso o débito não for quitado ainda nesta sexta-feira (22).

Helena Delgado, vice-presidente da SIEMS (Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul), afirmou que a notícia de que o Governo do Estado havia debitado o dinheiro nas contas dos trabalhadores, acabou causando um mal-estar, porque alguns trabalhadores estão até sendo ameaçados por credores.

“Gerou um descontentamento muito grande por parte dos trabalhadores que estão sendo até cobrados por credores, achando que eles realmente tivessem recebidos. O Estado não pagou ninguém ainda e a gente espera que até hoje à tarde os salários comecem a ser creditados nas contas dos servidores”, explicou.

Funcionários de Hospital Regional desmentem Governo sobre salários e prometem greve
Governo diz que pôs salários em dia dos funcionários. (Foto: Reprodução)

Apesar de esperar por essa garantia de recebimento ainda hoje, Helena conta que caso não caía o salário nesta sexta, o Hospital Regional voltará a passar por mobilização e ficará sem atendimento.

“Aí o hospital não funciona, aí nós não temos condições de continuar o atendimento. Nós estamos em vias de fazer rescisões contratuais dos funcionários. Todos eles terão os contratos rescindidos, porque a Gerir está deixando o hospital”. “Tem gente que tem criança pequena, várias pessoas estão sem saber o que fazer”, acrescentou.

A vice-presidente expõe que várias pessoas ficarão desempregadas, já que terão seus contratos rescindidos por conta da saída do Instituto Gerir – que segundo informações, está passando por processos judiciais em todo o Brasil. O dinheiro também deverá ser utilizado porque serão efetuados nos pagamentos de rescisão, férias e FGTS.

“O total, porque funcionam várias outras terceirizadas juntas, seriam em torno de 350 famílias. Tem gente com criança pequena, várias pessoas estão sem saber o que fazer”, lamentou.

Pagamento

Procurada pela reportagem, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) afirmou que os pagamentos estarão sendo realizados nesta sexta-feira (22) e a totalidade do montante para o pagamento do débito chega aos R$ 1,5 milhão.

“Todos os pagamentos serão feitos nesta sexta-feira (22.03) As transferências estão sendo feitas de forma individual diretamente na conta corrente, tanto pessoa física e pessoa jurídica, dos funcionários e prestadores de serviços do Hospital Regional de Ponta Porã”.

Jornal Midiamax