Cotidiano

Confira como denunciar irregularidades em eleição de conselheiros tutelares

Sendo acompanhada pelo promotor de Justiça Paula Henrique Camargo Iunes, titular da 46ª Promotoria de Justiça de Mato Grosso do Sul, as irregularidades nas eleições para Conselheiros Titulares de Campo Grande podem ser denunciadas por telefone. De acordo com a assessoria, o promotor está acompanhando e fiscalizando o pleito e as sugestões, reclamações e denúncias […]

Ana Paula Chuva Publicado em 08/10/2019, às 16h30 - Atualizado às 17h31

Foto: Henrique Arakaki/Midiamax
Foto: Henrique Arakaki/Midiamax - Foto: Henrique Arakaki/Midiamax

Sendo acompanhada pelo promotor de Justiça Paula Henrique Camargo Iunes, titular da 46ª Promotoria de Justiça de Mato Grosso do Sul, as irregularidades nas eleições para Conselheiros Titulares de Campo Grande podem ser denunciadas por telefone.

De acordo com a assessoria, o promotor está acompanhando e fiscalizando o pleito e as sugestões, reclamações e denúncias sobre possíveis irregularidades no processo devem ser encaminhadas à 46ª Promotoria através da ouvidoria no site do MPMS ou pelo 127.

Vale lembrar que o certame está sendo marcado por confusões desde o começo. O processo foi marcado por tumultos, decorrentes de longas filas, longo tempo de espera, falta de cédulas de papel e, principalmente, pela mudança do sistema de votos. O sistema utilizaria urnas eletrônicas, mas devido aos recursos de candidatos, inicialmente impugnados, foi preciso recorrer a urnas de lona e cédulas de papel.

O processo de apuração iniciado na manhã de segunda (7), contava com cinco mesas de apuração. Para agilizar, comissão eleitoral elevou número para nove. Hartmann ainda apontou que as denúncias referentes ao processo eleitoral serão verificadas depois da apuração dos votos, que é prioridade. O vereador Delegado Wellington (PSDB) formalizou à SAS (Secretaria Municipal de Assistência Social) pedido de anulação do certame, mas decisão de suspender cabe apenas ao Poder Judiciário.

Na manhã da segunda-feira, apenas quatro urnas teriam começado a ser apuradas e apenas uma delas fora concluída – num universo de 60 urnas.

A apuração, que ocorre nas instalações do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de MS), entrou em seu segundo dia nesta terça-feira (8)  De acordo com o CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente) de Campo Grande, o método arcaico nas eleições ocorre devido aos recursos impetrados por candidatos que tiveram nomes inicialmente impugnados. Devido a isso, a reprogramação das urnas eletrônicas cedidas pelo TRE-MS não foi possível e as eleições passaram a ser “à moda antiga”.

A apuração acontece no Fórum Eleitoral de Campo Grande.Conforme o edital, não se pode usar equipamentos eletrônicos. O resultado da apuração da eleição para o Conselho Tutelar de Campo Grande está previsto para esta quarta-feira (9).

A presidente da comissão eleitoral das eleições para conselheiros tutelares de Campo Grande, Alessandra Hartmann, afirmou que até o começo da tarde desta terça-feira, 36 urnas de um total de 60 haviam sido apuradas.

Conforme Hartmann, a comissão eleitoral disponibilizou 26 mil cédulas para o processo eleitoral. Entretanto, a comissão ainda não sabe informar quantas pessoas compareceram às urnas. A estimativa do CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente), é que o número supere os 30 mil. (Com informações de Guilherme Cavalcante e Mylena Rocha)

Jornal Midiamax