Cotidiano

Gangue dos quatis volta a ‘atacar’ as lixeiras do Parque dos Poderes

A gangue dos quatis voltou a atacar nesta quinta-feira (7) no Parque dos Poderes, em Campo Grande. Andando sempre em grupos, os animais saíram da mata para buscar comida na Assembleia Legislativa. Atraíram a atenção de todos e, como não conseguiram comida com os trabalhadores e moradores do bairro, ‘atacaram’ as lixeiras. Por volta das 12h […]

Patrícia Penzin Publicado em 07/06/2018, às 15h41 - Atualizado em 08/06/2018, às 09h47

Captura de tela
Captura de tela - Captura de tela

A gangue dos quatis voltou a atacar nesta quinta-feira (7) no Parque dos Poderes, em Campo Grande. Andando sempre em grupos, os animais saíram da mata para buscar comida na Assembleia Legislativa. Atraíram a atenção de todos e, como não conseguiram comida com os trabalhadores e moradores do bairro, ‘atacaram’ as lixeiras.

Por volta das 12h desta quinta, um grupo com pelo menos 12 animais surpreendeu quem andava pelas ruas do bairro e ‘atacou’ uma lixeira. Apesar de ser uma cena relativamente comum, a ação da gangue sempre atrai cliques de máquinas fotográficas e celulares.

Desta vez, quem fez o flagra foi a repórter Evelin Cáceres, que acompanhava o trabalho dos deputados na Assembleia quando, na saída, cruzou com os bichos.

Não é raro os mamíferos deixarem a mata e circularem na região em busca de uma alimentação mais fácil. Mas quem trabalha com animais selvagens garante: não devemos fornecer nenhum tipo de alimentação a animais silvestres.

O biólogo José Milton Longo explica que não devemos nem oferecer frutas para não acostumar os animais a uma alimentação que pode ficar indisponível. Segundo o especialista, os quatis são onívoros e têm uma vasta alimentação disponível na mata. “A mata oferece alimentação suficiente, não há um desequilíbrio, mas os quatis são uma espécie que tem maior tolerância à presença humana e por isso sai em busca de comida”, explica.

Longo conta que os quatis são animais muito ativos e ressalta que a convivência com humanos não traz riscos à saúde dos animais. “O maior risco que eles correm andando em bandos é o de atropelamento, que é algo comum lá”, afirma.

Fauna
Cercada por matas, a região do Parque dos Poderes tem uma variedade de animais silvestres. Além dos quatis, é comum ver antas, capivaras, cotias, macacos, gambás, lagartos, araras e uma série de aves.

Jornal Midiamax