Cotidiano

Contra onda de roubos, motoristas de aplicativos usam tecnologia para proteção

Nos últimos meses, dezenas de motoristas de aplicativos de mobilidade foram alvos de roubos em Campo Grande. Sem apoio das empresas, a “nova moda” fez com que os condutores se unissem e protegessem uns aos outros usando a tecnologia a favor. A principal reclamação dos campo-grandenses que utilizam a Urban como fonte de renda é […]

Bruna Vasconcelos Publicado em 11/10/2018, às 14h24 - Atualizado em 12/10/2018, às 10h22

Ilustrativa / Midiamax
Ilustrativa / Midiamax - Ilustrativa / Midiamax

Nos últimos meses, dezenas de motoristas de aplicativos de mobilidade foram alvos de roubos em Campo Grande. Sem apoio das empresas, a “nova moda” fez com que os condutores se unissem e protegessem uns aos outros usando a tecnologia a favor.

A principal reclamação dos campo-grandenses que utilizam a Urban como fonte de renda é a falta de segurança que o aplicativo proporciona. Com um cadastro arcaico e sem mais informações do passageiro, alguns motoristas estão desistindo de trabalhar com o software.

Um motorista, que não quis se identificar, afirmou que não é raro receber chamadas de passageiros com nomes fakes. Alguns, mais audaciosos, chegam a realizar o cadastro com nomes de jogos de videogame.

“Sentimos medo porque ultimamente estão assaltando muitos motoristas. Tem que ficar de olho, qualquer um pode fazer o cadastro e colocar nome falso. Não tem fiscalização e isso dificulta a polícia na hora de fazer a identificação do bandido.”

Receosos com as corridas pegadinhas, acionadas com o único objetivo de cometer o crime, os condutores criaram um grupo no Whatsapp e uma rádio virtual onde compartilham em tempo real as chamadas e trajetos.

Nos canais de comunicação é possível acompanhar o ponto exato onde cada motorista buscou os passageiros e qual o destino final. Durante o trajeto, o grupo também indica quais as ruas utilizadas pelo veículo. A atitude foi a forma que os trabalhadores encontraram de inibir ou, ao menos dificultar, a ação dos criminosos.

Posicionamento Urban

Ao receber a denúncia de passageiros fakes, a reportagem entrou em contato com a gerência da Urban e obteve um posicionamento oficial, via telefone, com ressalta de que a resposta seria divulgada. Após a publicação da matéria, o porta-voz do aplicativo entrou em contato com o Jornal MidiaMax e solicitou que o posicionamento fosse retirado do ar.

O responsável também afirmou que não ia se pronunciar novamente e outra resposta seria dada somente na próxima semana em função do feriado da divisão de Mato Grosso do Sul.

Quadrilhas

Em 7 dias, as policias militar e civil prenderam 2 quadrilhas especializadas em roubos a motoristas de aplicativo. A primeira prisão ocorreu na última quinta-feira (4) quando a dois rapazes e um adolescente tentaram assaltar um veículo na região do Pioneiros.

Segundo a polícia, o crime aconteceu por volta das 23h quando um suspeito, de 23 anos e um garoto, de 15 anos, fizeram o pedido de corrida. Eles seriam levados para o bairro Vila Jacy.

Durante o trajeto, o rapaz foi conversando com a vítima, que não desconfiou, sendo que no meio do trajeto foi pedido que o motorista parasse antes em uma casa no Aero Rancho para que um amigo embarcasse e ele pudesse pegar dinheiro para pagar a corrida.

O motorista foi ameaçado de morte pelo trio, que levou o carro abandonando a vítima. A polícia foi acionada e houve perseguição ao carro, sendo que os bandidos abandonaram o veículo no bairro Taquarussu, mas quando tentaram fugir a pé acabaram alcançados pelos militares. Um dos ladrões levou um tiro no joelho e foi levado para a Santa Casa.

O garoto e o outro rapaz foram levados para a delegacia, e lá o jovem confessou que faziam parte de uma quadrilha e que os carros eram levados para o Paraguai. Ele ainda disse que estavam planejando o roubo de pelo menos três carros.

A segunda prisão foi realizada nesta quinta-feira (11) pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar.

Thiago da Silva Feitosa, de 26 anos, foi detido como o responsável por roubar dinheiro e o veículo de um motorista de Uber durante uma corrida realizada um dia antes. Na ocasião, o suspeito estaria acompanhado de uma garota de programa, identificada como Enmily Sullivan Sampaio dos Santos, de 29 anos.

Na casa onde Thiago estava, os policiais encontraram dois documentos de veículos com placas de veículos roubados. Um dos veículos, um Renault/KWID, foi levado por Thiago e um comparsa, conhecido como Sabotagem, no dia 8 de julho deste ano.

O suspeito teria entregado outro colega do mundo do crime, identificado como Ricardo Ajala Junior. Os dois teriam feito um roubo a um HB20 na saída da Boate Enigma, no Parque dos Laranjais.

Contra onda de roubos, motoristas de aplicativos usam tecnologia para proteção
Foto: Divulgação / Polícia

O trio foi levado para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga e a garota de programa segue procurada pelos investigadores.

Jornal Midiamax