Cerca de 40 famílias vivem em área ocupada

​Terminou no fim da manhã desta quinta-feira (24), reunião entre comissão formada por três moradores de uma área ocupada no Jardim Canguru e o diretor-presidente da Emha (Agência Municipal de Habitação) Enéas José de Carvalho Netto. Sem acordo, a ordem de reintegração será cumprida e as famílias terão de deixar o local.

“Não teve nenhum acordo. Simplesmente falaram que vamos ter de sair e que não tem prazo para que isso aconteça, pode ser em dois dias, ou um mês, ninguém sabe”, diz a moradora Maila Evelyn da Silva Ramos, de 30 anos, que mora no local.Prefeitura diz que vai cumprir ordem de reintegração e moradores devem desocupar área

Nesta manhã, antes da reunião, os moradores fizeram um protesto  na frente da Prefeitura. A manifestação terminou quando a comissão foi atendida pelo diretor-presidente da Emha.

Em nota, a assessoria de comunicação da Agência Municipal de Habitação ressalta que a área ocupada pelas famílias é destinada à construção de 300 apartamentos do Programa Minha Casa, Minha Vida e que a ocupação prejudica o planejamento habitacional.

Ainda segundo a nota, o município corre risco de perder o recurso destinado à construção das moradias, que não pode ser realizada em área ocupada. 

Reintegração  de posse –

Conforme a determinação, a área localizada no lote 01, da quadra 17, deve ser desocupada e as construções demolidas. 

A determinação da 5ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça foi divulgada nessa quarta-feira (23). O prazo para que os moradores deixem o local não foi informado.