Paralisação será resolvida em assembleia geral 

Cabos e Soldados da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul decidem em assembleia geral da categoria, às 15 horas de hoje (29), se entram em estado de aquartelamento a partir de sexta-feira (2), como forma de pressionar o governo a conceder reajuste de 7%. O Estado oferece 5%. 

Na manhã desta terça-feira, o presidente da Associação de Cabos e Soldados, Edmar Soares da Silva, esteve na Assembleia Legislativa para cobrar orçamento paritário ao da Polícia Civil, que recebeu 7% de reajuste no salário. Sem aceno se serão atendidos, e como não podem fazer greve, o aquartelamento é a medida adotada pelos policiais. Eles ficam dentro dos batalhões sem realizar os trabalhos ostensivos de forma total  

A proposta do governo é concessão média de 5% a soldados e cabos, e 3,5% para subtenente e sargentos. “Se dessem o 7% para todos o assunto estaria encerrado, mas vamos ter assembleia para aquartelamento na sexta”, disse. 

Conforme publicado pelo Jornal Midiamax no início do mês, o governo do Estado havia oferecido reajuste linear de 2,94% para todo o funcionalismo público, inclusive policiais militares e bombeiros, a partir de outubro. A proposta desagradou os representantes dos militares, pois, no ano passado, o Executivo havia se comprometido em implantar a política de verticalização salarial da categoria.
Pela proposta elaborada pela ACS, o soldado em início de carreira deveria a receber, até 2018, 20% do que ganha um coronel do mesmo nível.