Professores e administrativos reivindicam reajuste

Depois de 3h30 de protesto, na manhã desta terça-feira (30), os professores e administrativos da rede estadual de ensino serão recebidos pelo secretário de Gestão Estratégica de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel.

Até o momento a manifestação segue pacífica, mas o policiamento foi reforçado na frente da Governadoria, com a presença da cavalaria da PM, o que deixou os servidores revoltados, afirmando que “não são bandidos”. Pouco tempo depois, o contingente da cavalaria deixou o local.

Os servidores dizem que o tráfego foi interrompido pela PM em um ponto bem anterior à SED (Secretaria Estadual de Educação), fazendo com os trabalhadores tivessem que caminhar mais de três quilômetros até o ponto de concentração. Outra reclamação dos trabalhadores, é com relação à revista pessoal que alguns foram submetidos. Conforme a PM, não foi encontrada nenhuma irregularidade.

Durnate a manhã não é possível acessar o Parque dos Poderes pela Avenida Mato Grosso, onde começa a Avenida do Poeta. Os carros devem seguir pela Avenida Afonso Pena para conseguir entrar na região. A Polícia Militar está no local para controlar o tráfego e orientar os motoristas. Cones de sinalização foram colcoados na via

Manifestantes criticam revista e interdição no Parque dos Poderes pela PM

Paralisação

A ‘paralisação de advertência’ é realizada por professores e administrativos da rede estadual de ensino e fechou 97% das escolas, segundo a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul). Algumas escolas ainda funcionam de forma parcial.

Os professores cobram o pagamento do reajuste de 7,64% do Piso Salarial Nacional, referente ao mês de janeiro deste ano. O aumento é garantindo por meio da Lei do Piso (Lei n.º 11.738/2008) e pela Lei Complementar Estadual n.º 200/2015. Com relação aos administrativos, a reinvindicação é a incorporação do abono salarial de R$ 200, política de valorização salarial e o reajuste da categoria.