Cotidiano

Com novo tomógrafo, Hospital de Câncer deixa de terceirizar 350 exames ao mês

Parte dos exames era terceirizados para clínicas

Wendy Tonhati Publicado em 02/10/2017, às 13h45

None

Parte dos exames era terceirizados para clínicas

O Hospital de Câncer Alfredo Abrão inaugurou, na manhã desta segunda-feira (2), uma nova sala e um equipamento para a realização de tomografias – exame que avalia e faz diagnóstico de tumores.O hospital atende 3 mil pacientes por mês e espera economia de R$ 100 mil mensais com o tomógrafo próprio. Com a realização de convênio com a Prefeitura de Campo Grande, governo do Estado e cidades do interior, o número de exames pode passar dos 600 mensais.

Com a nova sala – que recebeu o nome de Claudio Osório Machado, pai do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que morreu vítima de câncer – o hospital vai deixar de terceirizar a realização de 350 exames mensais, hoje atribuídos a outros hospitais e clínicas conveniadas.

Foram investidos R$ 46 mil para adequações do espaço físico, além de R$ 400 mil de emendas parlamentares estaduais e R$ 500 mil de emenda parlamentar do deputado Federal Geraldo Resende. No mesmo andar, já operam os leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), mamografia, raio-X e ultrassonografia.

O diretor-presidente do Hospital de Câncer, Claudio Osório Machado, ressaltou que o hospital “virou um canteiro de obras nos últimos quatro anos”. O serviço de tomografia deve começar a operar efetivamente em até 15 dias, quando terá a liberação da Vigilância Sanitária, segundo o hospital. “Este exame é importante, pois serve para determinar o local que será tratado”, explicou Machado.

Com novo tomógrafo, Hospital de Câncer deixa de terceirizar 350 exames ao mês

Segundo o governador, o governo do Estado investiu cerca de R$ 5 milhões na nova unidade do Hospital do Câncer que hoje atende 98% dos pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde), além de estruturar um novo bunker para o acelerador linear que deve ser entregue até dezembro deste ano. O aparelho vem de um hospital de Goiás e é um remanejamento do Ministério da Saúde.

“Este tem que ser um hospital de referência e importante no diagnóstico precoce. Na nova etapa da Caravana na da Saúde, também vamos possibilitar o diagnóstico do câncer de mama nos 79 municípios”, disse Azambuja.

Durante a inauguração da sala de tomografia, o deputado Federal Geraldo Resende lamentou que um equipamento destinado ao diagnóstico de doenças cardíacas esteja guardado no almoxarifado do HU (Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian). “Está encaixotado no almoxarifado do HU, há cinco anos, um equipamento de 1,5 milhão para hemodinâmica. Se estivesse sendo utilizado, salvaria muitas vidas”.

Jornal Midiamax