Cotidiano

Brasil possui mais de 24 mil sítios arqueológicos cadastrados

São considerados locais onde há vestígios de ocupação humana

Midiamax Publicado em 30/09/2017, às 20h05

None

São considerados locais onde há vestígios de ocupação humana

O Iphan considera sítios arqueológicos os locais onde se encontram vestígios de ocupação humana, os sítios identificados como cemitérios, sepulturas ou locais de estadia prolongada ou de aldeamento, “estações” e “cerâmicos”, grutas, lapas e abrigos sob rocha, além das inscrições rupestres ou locais com sulcos de polimento, os sambaquis (amontoados de conchas e outros objetos feitos por seres humanos) e outros vestígios de atividade humana.
Saiba mais sobre alguns desses locais históricos no País.

O Parque Nacional Serra da Capivara foi criado em 1979 para preservar vestígios arqueológicos da mais remota presença do homem na América do Sul. Com aproximadamente 130 mil hectares, o parque está localizado no sudeste do estado do Piauí e ocupa parte dos municípios de São Raimundo Nonato, João Costa, Brejo do Piauí e Coronel José Dias. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) inscreveu o parque na Lista do Patrimônio Mundial em 1991 e, em 1993, passou a constar do Livro de Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico do Iphan.

Na área tombada foram localizados cerca de 400 sítios arqueológicos, com painéis de pinturas e gravuras rupestres de grandes valores estético e arqueológico. As descobertas realizadas no Sítio Arqueológico Boqueirão da Pedra Furada, por exemplo, levantaram a hipótese de que o homem poderia ter vivido nesse local há 60 mil anos.

As coleções arqueológicas do museu constituem um acervo valioso dos pontos de vista científico e histórico, reunindo mais de 1 milhão de itens. O museu se originou por volta de 1866, quando o naturalista mineiro Domingos Soares Ferreira Penna, radicado no Pará, organizou uma associação cultural para recolher e preservar coleções etnográficas e arqueológicas. A coleção do museu foi tombada em 1940 pelo Iphan.

O local foi o principal cais de desembarque de africanos escravizados em todas as Américas e o único que se preservou materialmente. Em 2011, durante as escavações realizadas como parte das obras de revitalização da Zona Portuária do Rio de Janeiro, no período que antecedeu os Jogos Olímpicos de 2016, foram descobertos dois ancoradouros, Valongo e Imperatriz, contendo uma quantidade enorme de amuletos, anéis, pulseiras, jogo de búzios e objetos de culto provenientes do Congo, de Angola e de Moçambique. Em 2012, o espaço foi transformado em monumento preservado e em julho deste ano foi declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco.

Jornal Midiamax