Vítimas são de Aquidauana e Jardim

A assessoria de comunicação da SES (Secretaria de Estado de Saúde) confirma mais duas mortes por H1N1 em Mato Grosso do Sul, o que eleva para 22 o número de óbitos provocados pela doença. A informação foi divulgada na manhã desta terça-feira (24).

Conforme a assessoria de comunicação da SES, o 21º caso registrado foi de uma indígena, de 44 anos, moradora de Aquidauana, distante 143 quilômetros de Campo Grande.

A mulher não tinha doença crônica e faleceu na última quinta-feira (19). Esta é a segunda morte por H1N1 em Aquidauana.

O último óbito provocado pela doença ocorreu na madrugada dessa segunda-feira (23). O paciente Manoel Acir Areco, de 49 anos, morava em Jardim, a 239 quilômetros da Capital. Esta é a primeira morte pelo vírus no município.

Segundo as informações, o paciente tinha diabetes e problema cardiovascular. Ele estava internado no Hospital Regional Rosa Pedrossian. Os dois casos devem ser inseridos no próximo boletim epidemiológico, que será divulgado pela SES nesta quarta-feira (25).

Até o momento são seis mortes em Campo Grande, quatro em Naviraí, duas em Três Lagoas e Aquidauana, uma em Jardim, Caarapó, Corumbá, Coxim, Juti, Maracaju e São Gabriel do Oeste. Além de uma morte por influenza B registrada na Capital.

Em Campo Grande a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) prorrogou o prazo de vacinação contra a gripe para o dia 22 de junho. A meta de imunização da população alvo (idosos, gestantes, crianças de seis meses a dois anos, índios e profissionais de saúde), estabelecida para a Capital, é de 80%, que corresponde a 118 mil pessoas.

A vacina é oferecida nas UBS (Unidades Básicas de Saúde) e nas UBSF (Unidades Básicas de Saúde da Família). A população deve ir aos postos das 7 às 11 horas e das 13 às 17 horas.