Estado completou 39 anos nesta semana

fez ontem, 11 de outubro, 39 anos. Célia também. A data serve para comemorar a divisão do Estado com Mato Grosso. Quem cresceu junto com ele, como Célia presenciou muitas mudanças.

“Eu nasci no Mato Grosso, segundo a minha certidão de nascimento. Mas logo virou Mato Grosso do Sul. Eu vi tudo crescer junto comigo. Não lembro de muita coisa quando pequena, mas minha mãe diz que logo que criou como Capital muita coisa mudou. Foram criados os órgãos estaduais, municipais, as repartições públicas mesmo vieram pra Campo Grande”, cita a dona de casa, Célia Guimarães.

E quem vive aqui diz que orgulho é viver em um Estado com tantas áreas verdes. “Antigamente, tinham esses parques, mas não tinha como caminhar neles. Era uma mata fechada, não tinha trilhas. Hoje, a gente pode caminhar com a família tranquilamente num fim de tarde”, pontua Ângelo de Souza, 36 anos.

Quem vem de fora acha que Campo Grande foi planejada, por causa das grandes avenidas e parques. Célia dá exemplo. “Uma amiga minha veio uma vez e comentou isso. Eu ri dela, e expliquei que não. Somos privilegiados mesmo. Temos avenidas maravilhosas com canteiros centrais, muitas árvores. Isso é motivo de orgulho pra quem vive aqui”, diz ela.

“Campo Grande é uma capital boa de viver. É uma capital com jeito de interior. Não há preocupação em sair de casa”, afirma a analista de sistemas, Tatiane Alencar, 38 anos.

MS é estado de oportunidades e qualidade de vida para quem cresceu aquiO advogado João Carneiro vai todas as tardes correr no Parque das Nações Indígenas. Para ele, são muitos os motivos por viver no Estado: qualidade de vida, economia e turismo. “Dá para viver muito bem aqui. Temos muitas áreas verdes e, apesar do trânsito ter piorado nos últimos anos, ainda não enfrentamos tantos problemas de metrópoles”, explica.

“Tem bastante oportunidade de emprego, principalmente para agricultura e pecuária”, cita o advogado. João está certo. A economia de Mato Grosso do Sul é baseada no agronegócios. E, o setor, segundo especialistas da área, não sentiu tanto a crise econômica do resto do país.

O clima também é razão de orgulho para quem vive em Mato Grosso do Sul. “Não é tão quente, nem tão frio como em outros estados. O que eu mais gosto no Estado é esse tempinho. Pode até ficar quente, mas a noite refresca”, diz o atendente de farmácia Elias Leão, 37.

Mato Grosso do Sul também é famoso pelas belezas naturais. Rios, cachoeiras, grutas, além da fauna e flora atraem milhares de turistas, de todo parte do mundo. Bonito e Corumbá são destinos dos amantes de ecoturismo. Todos entrevistados pela equipe do Jornal Midiamax relataram as belezas do Estado, e do orgulho de viver em um Estado verde.

Um lugar para chamar de casa

E quem adotou Mato Grosso do Sul como uma novo lar também garante que as áreas verdes e a tranquilidade são chamariz. Esse é o caso de Aroldo Glassi dos Santos Júnior, que há cinco anos se mudou de Porto Alegre com a família. Ele veio a trabalho, mas admite que Mato Grosso do Sul já é sua casa. “Eu adoro viver aqui. Não quero mais voltar para lá. Vivemos muito bem aqui”, diz ele.

Aroldo, a esposa e a filha de 6 anos costumam passear em parques no fim da tarde. “É muito tranquilo. Poder vir com minha filha num parque a tardinha, tomar um sorvete, sentar, curtir esse tempinho, sem medo de ser assaltado”, diz o servidor público. Assim como João, Aroldo também exalta que o melhor de Campo Grande é viver em uma “capital com cara de interior”.