Cotidiano

Mais um grupo de militares faz assembleia sobre abono de R$ 200

A assembleia acontece no teatro Glauce Rocha

Clayton Neves Publicado em 04/05/2016, às 18h08

None
10.04.16-foto-malk-600x357.jpg

A assembleia acontece no teatro Glauce Rocha

Policiais militares e bombeiros filiados a ACS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul), se reúnem em assembleia geral na tarde desta quarta-feira (4), para discutir reajuste salarial e votar proposta do Governo do Estado.

Mais um grupo de militares faz assembleia sobre abono de R$ 200De acordo com o presidente da ACS, Edmar Soares da Silva, na última sexta-feira (29), o Executivo apresentou cronograma que prevê para soldado de início de carreira, salário equivalente à 20% ao de um coronel. Atualmente o índice é de 15,1%.

Para o reajuste, a proposta leva em consideração o abono de R$ 200 oferecido pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) já no mês de maio, e aumento de 1% do índice do salário do soldado em relação ao do coronel, em julho.

Edmar afirma que a categoria está aberta ao diálogo, porém, paralisação não está descartada. “Vamos discutir até a exaustão, mas não descartamos eventual paralisação nos serviços caso não seja encontrado um acordo”, explica.

Votada a proposta e discutida a situação dos servidores, os encaminhamentos serão repassados ao Governo do Estado.

A assembleia acontece no teatro Glauce Rocha, em Campo Grande. Atualmente, a ACS representa mais de 3.300 trabalhadores. 

Na tarde de ontem (3), outro grupo de policiais e bombeiros se reuniram ABSS-MS (Associação Beneficente dos Subtenentes, Sargentos e Oficiais oriundos do quadro de Sargentos Policiais e Bombeiros) e rejeitaram abono de R$ 200. Na quinta-feira (5), eles devem apresentar contraproposta na Governadoria, solicitando reajuste percentual que beneficie todos os servidores. 

Jornal Midiamax