Associação enviou ofício ao Governo, pedindo reconsideração da proposta

A proposta de de policiais militares e bombeiros deve ser discutida em uma assembleia na próxima semana, segundo a ACS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul).

De acordo com a entidade, um ofício foi enviado ao Governo do Estado, nesta quarta-feira (14), solicitando a reconsideração da proposta de reajuste. Caso não haja acordo, o aquartelamento não é descartado.

“O Governo insiste em não dar reajuste e, quando chamarmos assembleia, na próxima semana, vamos levar essa proposta. Quem decide é a tropa, que não aceita ficar sem reajuste em maio. A ACS vai encaminhar e respeitar a decisão”, afirmou o presidente da ACS Edmar Soares da Silva, em nota.

Segundo o Governo do Estado, conforme parecer da PGE (Procuradoria Geral do Estado), houve antecipação da revisão geral anual do exercício 2015 em dezembro de 2014, não havendo nova revisão a ser concedida para a data base de maio de 2015 às categorias já beneficiadas. Portanto, não se trata de reajuste zero, mas sim confirmar o valor já aplicado a partir da folha de dezembro de 2014.

“Temos um entendimento diferente da PGE, pois, no nosso caso, está especificado no texto da lei que os reajustes eram referentes aos exercícios de 2013 e 2014”, defendeu o presidente da ACS no documento encaminhado ao chefe do Executivo.