Cotidiano

Governo endurece e universidades federais continuam em greve

Nova reunião deve ocorrer até 21 de julho

Thatiana Melo Publicado em 08/07/2015, às 11h28

None
adufms.jpg

Nova reunião deve ocorrer até 21 de julho

Sem proposta concreta e nenhum avanço nas negociações salariais e benefícios aos professores e administrativos da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), a greve continua e mais de 16 mil alunos continuam sem aulas. A proposta do governo federal foi rejeitada na reunião dessa terça-feira (7), em Brasília.

“O governo continua usando o mesmo argumento de que por causa do ajuste fiscal não tem como dar o reajuste no índice e para 2016”, fala José Carlos, presidente da Adufms (Sindicato dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). Ainda de acordo com José Carlos até o dia 21 deste mês uma nova reunião deve ocorrer no MPOG (Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão).

Sobre as reivindicações de reestruturação das carreiras e benefícios como auxílio-alimentação, saúde e creche, Carlos explica que o governo sinalizou que vai estudar as propostas enviadas pela categoria. “O governo está manobrando para tentar desgastar e inviabilizar a greve para depois não atender às reivindicações da categoria”, ressalta.

Proposta

O governo federal ofereceu à categoria reajuste de 21,3% parcelado em quatro anos, até 2019. Já para a reestruturação das carreiras o MEC (Ministério da Educação) havia informado que iria organizar uma comissão para estudar a reivindicação.

A proposta de reajuste salarial pedida pelos professores e administrativos da UFMS, é de percentual de 27% para 2016, sem parcelamentos. O reajuste segundo o comando de greve é em relação à inflação de junho de 2011 a julho de 2016, este percentual deverá ser aprovado para a inclusão na LOA (Lei Orçamentária Anual) deste ano e aplicado a partir de 2016.

Greve

A greve começou no dia 15 de junho, os professores e administrativos reivindicam  reajuste de 27% e reestruturação da carreira. Ao todo 1.333 professores estão de braços cruzados e 17 mil alunos de cursos presenciais e a distância estão sem aulas.

Jornal Midiamax