Cotidiano

Comerciantes pedem semáforo no lugar de ‘rotatória da treta’

Rotatória na Rua da Divisão é problema há anos

Midiamax Publicado em 01/10/2015, às 20h12

None
img-20151001-wa0098.jpg

Rotatória na Rua da Divisão é problema há anos

Cansados de acidentes e de correr riscos, comerciantes da Rua da Divisão pedem semáforo no lugar da “rotatória da treta”, no cruzamento com a Rua Eva Perón, no Jardim Monte Alegre, região sul de Campo Grande. Problema há anos, a rotatória não é respeitada por muitos e o que era para ser uma solução para o trânsito virou palco de acidentes e imprudências.

“Todo mundo aqui cansou de reclama desta rotatória. Tinha que ter um semáforo, facilitaria e evitaria muitos acidentes”, sugere Marcelo Nascimento, de 47 anos, dono de banca na frente do cruzamento. O comerciante frisa que em horário de pico a rotatória fica uma confusão. “Lá pras cinco da tarde fica um caos, uma confusão enorme”.

Marcelo ainda criticou a má sinalização da rotatória. “Os dois pares estão apagados do asfalto já faz uns dois anos. Aí colocaram um quebra-mola mas tinha que ser mais perto da rotatória. Colocaram um pouco antes, não adianta nada”.

Suzi Medeiros, de 48 anos, dona de sacolão ao lado, também clama por um semáforo. “Já juntamos e pedimos mais de duas vezes, mas ninguém nem respondeu”. A comerciante afirma que a rotatória não é respeitada por muitos. “Caminhão e ônibus passa por cima, os outros carros têm que ficar esperando para passar. Fora os que passam em alta velocidade”.

Suzi também falou da hora do rush. “É só barulho, buzina, susto, acidente. Tinham que tomar uma providência, nem placa de pare tem mais”, aponta.

Donos de depósito de água e gás, Rinaldo Flores e Cristiane Melo dizem presenciar muitos acidentes na rotatória. “O poder público não dá atenção. É esquecido aqui. Aí fica só confusão. Meu motociclista foi atropelado esses dias ai. O carro da mulher foi parar no muro”, conta Rinaldo.

Rotatória da treta

O casal apelidou a rotatória de rotatória da treta. “Só dá treta. É xingamento o dia inteiro. Tem hora que vem um ônibus de cada lado, os dois passando de uma vez sem fazer a rotatória. Até viatura da polícia passa voando aqui”, relata Cristiane.

Rinaldo ressalta que por conta do grande fluxo na região um semáforo seria a única solução. “A Rua da Divisão virou um corredor para os outros bairros aqui perto. O fluxo é muito grande. E a gente fica preocupado, ainda mais na hora de saída das crianças da escola aqui perto. Tem hora que é uma dificuldade até para quem está dirigindo passar, imagina para as crianças atravessarem”.

Outro lado

A equipe de reportagem entrou em contato com a Prefeitura de Campo Grande, que declarou que os técnicos da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) estão avaliando a melhor opção para melhorar o fluxo de veículos no local.

Jornal Midiamax