Abin polarizada

A polarização política – entre as hostes do presidente Lula da Silva (PT) e do ex-
presidente Jair Bolsonaro (PL) – contaminou a Agência Brasileira de Inteligência
(Abin). O clima é tão tenso que já houve até discussão acalorada, com viés político, na
antessala do chefe ‘progressista’ Luiz Fernando Corrêa, ex-diretor da PF no Governo
Lula II. Já a ala bolsonarista é guiada por Alessandro Moretti, diretor-adjunto, amigo da
encrencada família do ex-presidente Jair Bolsonaro. Os dois servidores da Abin
demitidos no ano passado – após operação da Polícia Federal que revelou o uso de
sistemas de GPS para rastrear celulares sem autorização judicial -, também eram
alinhados ao ex-diretor bolsonarista da Abin Alexandre Ramagem.

Pito tucano

O presidente do PSDB, Marconi Perillo, não quer saber de deputados e senadores do
partido criticando o ministro Alexandre de Moraes, que era filiado ao partido antes de
assumir cadeira no STF. Além do pito, Perillo deixa claro que eventuais declarações ou
posicionamentos em relação Moraes “são de caráter estritamente pessoal”. É o mesmo
recado do deputado Aécio Neves (MG), presidente do Instituto Teotônio Vilela.

Gilbertinho no Senado?

Discreto e conselheiro do presidente Lula da Silva, o ex-chefe de gabinete da
Presidência Gilberto Carvalho celebrou em sua casa bucólica, em Brasília, 73 anos ao
lado da família e amigos de movimentos sociais. Surgiu o bordão: “Gilbertinho no
Senado”. A ideia do grupo é lançá-lo, em 2026, pelo Distrito Federal. O presidente Lula
da Silva também é um entusiasta da candidatura do amigo.

Pe. Kelmon em SP

O ex-candidato à Presidência da República em 2022 Padre Kelmon decidiu concorrer à
Prefeitura de São Paulo pelo PTB. Já até improvisou o lema da campanha: “A força dos
cristãos contra os comunistas”. Em tempo: em dezembro de 2022, após as eleições
presidenciais, ele foi desligado da Igreja Ortodoxa do Peru no Brasil.

Foragidos

Auditores fiscais do trabalho pressionam autoridades para que reforcem buscas aos dois
foragidos condenados como mandantes da chacina de Unaí: Norberto Mânica e Hugo
Pimenta. Já se reuniram com o PGR, Paulo Gonet, e aguardam encontro com o novo ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski. Eles relatam que as agressões continuam à classe dos fiscais em serviço.

Mais capítulos?

A operação “Capa Dura” da PF no Rio Grande do Sul, que investiga compras de livros
superfaturados pela prefeitura de Porto Alegre, é acompanhada com atenção em
Alagoas. Uma das investigadas, a Inca Tecnologia de Produtos e Serviços, fechou
contratos de mais de R$ 50 milhões com o Governo alagoano para fornecer livros no
período em que o secretário de Educação era o atual deputado federal Tio Rafa (MDB).

ESPLANADEIRA

# Rio de Janeiro tem queda de 10% em casos de feminicídio. # Thomson Reuters: 45% dos entrevistados acreditam na IA para melhoria da produtividade. # Geraldo Arantes é o novo Diretor Executivo Comercial da Rennova. # TCE-MG lança vídeos com instruções para entes estaduais fiscalizados. # DataSenado auxilia Ministério do Desenvolvimento Social na criação de indicador de miséria. # Daniella Mendonça estreia podcast “Conexão Daniella” sobre saúde.