O Ministério de Minas e Energia informou nesse domingo (3), que a situação no bairro de Mutange, em Maceió, está estabilizada e caso haja o colapso de uma mina será “de forma localizada e não generalizada”. Segundo a pasta, “observa-se estabilização da situação, com redução do ritmo de subsidência do terreno e redução da probabilidade de deslocamentos de terra de larga escala”.

A capital alagoana decretou estado de emergência na semana passada em razão do risco iminente de desmoronamento da mina da petroquímica Braskem, que até 2019 fazia a extração de sal-gema em 35 poços abertos na cidade.

Citando dados coletados até sábado (2), o ministério, que instaurou uma sala de situação para gerenciar as ações em Maceió, afirmou que houve redução da velocidade de deslocamento de 50 centímetros para cerca de 15 centímetros por dia. “Ainda é uma velocidade elevada, ao se comparar com o parâmetro anterior, da ordem de 20 centímetros por ano. A situação ainda demanda atenção”, afirma o relatório.

A pasta também informou que não foi observada alteração expressiva do nível da Lagoa de Mundaú e que há “risco baixo” de contaminação e que a monitora em tempo real o local com sensores. A Brasken informou que 100% da área em risco está agora desocupada.